Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Justiça nega pedido de transplante de intestino para menina

(Foto: Divulgação) - Justiça nega pedido de transplante de intestino para menina
(Foto: Divulgação)

A Justiça Federal negou o pedido de transplante de intestino de Júlia Dal Santos Cosechen, de dois anos, moradora de Prudentópolis (99 quilômetros de Ponta Grossa). A decisão impede que a pequena Julinha faça a cirurgia nos Estados Unidos com pagamento do governo federal. Ela perdeu parte do intestino grosso e o intestino delgado pouco depois de nascer (prematura) e a única forma de salvar a vida da menina é com o transplante.

A justificativa para que o pedido fosse negado é que a menina está estável. Ela se alimenta por sonda e precisa da cirurgia para levar melhorar a qualidade de vida. Pelo Facebook, a mãe de Julinha, Ângela Dal Santos, fez um desabafo pedindo ajuda dos internautas. “A liminar foi negada porque a minha filha está estável. Eu fiquei chocada com isso, porque nós cuidamos dela justamente para ela ficar bem e poder fazer a cirurgia. Isso é um absurdo”, protestou.

A justiça argumenta que o caso de Julinha não seria resolvido com o transplante e que o procedimento deveria ser realizado no Brasil, já que há apenas uma pessoa na fila de espera na frente da menina. “O primeiro paciente listado esse ano pra fazer faleceu esperando e isso doeu demais em todas nós mães que estamos passando por isso juntas. E além disso, o transplante não é apenas a cirurgia, o pós-cirúrgico é mais que importante e não é simples, então nós sabemos que o Brasil ainda não tem estrutura para isso e que tudo isso não fica pronto pra funcionar de uma hora para outra. E nenhum ser humano deve ter sua vida feita de

Enquanto recorre da decisão, a família também organiza uma vaquinha virtual em que pede R$ 4 milhões para a realização da cirurgia. Até agora, foram arrecadados pouco mais de R$ 65 mil.