Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Justiça nega pedido do MP e libera prova de laço em Londrina

(foto: CLPD/Divulgação) - Justiça nega pedido do MP e libera prova de laço
(foto: CLPD/Divulgação)

O juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública de Londrina, Marcos José Vieira, indeferiu o pedido do Ministério Público para cancelar a final do Circuito Paranaense de Laço de Dupla (CPLD), prevista para este final de semana no Parque Governador Ney Braga, em Londrina.

A competição oferece até R$ 10 mil em prêmios, além de motos e carros zero quilômetro.

No entendimento da promotoria, as modalidades previstas no evento resultariam em maus tratos aos animais.

Já o juiz argumentou o momento tardio em que a ação civil pública foi movida pelo Ministério Público, ingressada às 18h30 de quinta-feira (24). Os autos chegaram até o juiz por volta do meio-dia, quando já haviam sido iniciadas as provas.

“A prova em andamento no Parque de Exposição Ney Braga de Londrina constitui evento que certamente já está há muito agendado no calendário da Sociedade Rural do Paraná. A sua realização envolve centenas de pessoas que afluíram à nossa cidade, implicando em altos custos com preparação do local, aquisição de brindes de premiação (incluindo veículos), deslocamento de animais, estadia de peões e pagamento de taxas de inscrição pelos participantes. Diante desse panorama, não me parece razoável que em pleno curso da realização do evento se possa determinar a sua pura e simples paralisação”, afirmou o juiz. “Houvesse esta ação sido distribuída com a antecedência suficiente para que os agentes do evento não fossem pegos de surpresa, talvez até me abalançaria em conceder a tutela provisória. Não foi, porém, o que ocorreu”.

O juiz informou que a acusação de que os animais são submetidos a situações de crueldade será melhor analisada com provas a serem produzidas no decorrer do processo.

A Sociedade Rural do Paraná e a Prefeitura de Londrina, citadas na ação civil pública, têm prazo de 15 e 30 dias, respectivamente, para oferecer contestação sobre o caso.