Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Mãe de jornalista pede para que caso seja esclarecido: "não é bandido"

(Foto: Reprodução/Rede Massa) - Mãe de jornalista pede para que caso seja esclarecido
(Foto: Reprodução/Rede Massa)

A mãe do jornalista Andrei Gustavo Orcini Fransquini, 35, morto após uma abordagem policial na madrugada do último domingo (12), na Praça da Espanha, em Curitiba, pediu para que as investigações caminhem e o caso seja esclarecido. A mulher disse que o filho jamais teria uma arma – como foi apontado pela Polícia Militar (PM) – e que a abordagem foi “brutal”.

Em conversa com a reportagem da Rede Massa nesta sexta-feira (17), Deisy Orcini afirmou que o jornalista era uma pessoa do bem e que não pode ser caracterizado como um bandido. “O Andrei era um filho carinhoso, passamos o sábado todos juntos, almoçamos juntos em casa e fomos jantar juntos em comemoração ao Dia das Mães, na saída nos deixou em casa. É um menino do bem. Ele queria trabalhar com pessoas, quem trabalha com pessoas vai ter ou carregar uma arma? Não vai respeitar seu próximo?”, questionou.

De acordo com a mulher, o desejo de toda a família é de que as investigações caminhem e esclareçam o que de fato aconteceu naquela madrugada. “A dor que vai ficar é irreparável, mas o que pode amenizar, ter um consolo, é as investigações caminharem para entender o motivo dessa brutalidade, dessa abordagem. Pois a polícia vem para proteger, alertar. Meu filho é um menino do bem, não posso aceitar que ele seja caracterizado como um bandido, ele não é bandido”, disse.

Deisy questionou, ainda, o motivo de tanta demora para ser informada sobre a morte do filho e para ter acesso ao Boletim de Ocorrência (B.O.). “Eu recebi a notícia de um amigo, às 14h, e aí a gente começou a procurar no Instituto Médico Legal, mas até acreditar que ele estava lá foi muito dolorido. Por que a demora em avisar, se todos os documentos e o celular estavam no carro? Quando fomos ao IML não pudemos ver e nem reconhecer, e aí começou uma nova maratona. O B.O, com as informações contraditórias, só recebemos às 21h”, completou.

Contradições

Novas imagens de câmera de segurança mostraram os policiais atirando contra o carro de Andrei antes de dar início à perseguição – diferente do que foi apontada em nota oficial da PM.

Ao ser procurada, a assessoria da PM informou, por meio de nota, que "um Inquérito Policial Militar (IPM) foi instaurado, imediatamente após o fato, para apurar todas as circunstâncias que envolvem a ocorrência". 

Colaboração Lucas Rocha/Rede Massa

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo