Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Mulher suspeita de alugar casas falsas de veraneio é presa; vítimas visitaram as residências

Uma mulher foi presa na manhã desta terça-feira (12), em Biguaçu (SC), suspeita de “alugar” casas de veraneio que não existiam ou que não eram de sua propriedade, no litoral paranaense. Os golpes deixaram um prejuízo de mais de R$ 500 mil, e aproximadamente 30 pessoas foram enganadas.

A investigação começou no final de dezembro, quando algumas vítimas procuram a Polícia Civil e relataram que haviam alugado casas que já tinham sido reservadas para outras pessoas. “Em vários casos, as vítimas chegaram a visitar as casas, o que dá uma maior credibilidade, e chegando o dia delas entrarem na residência a casa já estava ocupada por outras pessoas, ou o proprietário não havia alugado para a vítima. Foram várias técnicas utilizadas, mas todo com o mesmo final: as casas não estavam disponíveis”, detalhou o delegado Guilherme Dias, da Delegacia de Matinhos.

Para garantir a reserva das residências, algumas vítimas fizeram um depósito parcial e outras o depósito total, com um prejuízo aproximado de R$ 500 mil. “Ela [suspeita] entrava em contato com o proprietário do imóvel com uma suposta intenção de sublocar esses imóveis. Dizia que queria alugar por toda a temporada e, a partir dali, sublocar para as pessoas. Desta forma, ela tinha acesso à chave do imóvel, fotos, toda estrutura, e passava a fazer visitas e alugava para pessoas diferentes”, disse o delegado.

De acordo com a investigação, a suspeita agia principalmente por meio de uma “rede pessoal” que criou na cidade, em que atuava como uma “corretora informal”. Para o delegado, a melhor forma de se prevenir nestes casos é se munir de documentos que comprovem a propriedade do imóvel. “Existem casos que logicamente exigem uma maior cautela, é preciso que as pessoas procurem dados que demonstrem que a pessoa está de fato habilitada para exercer essa habilidade [de corretor], ou documentos da propriedade, como luz e água”, alertou.

A mulher, que fugiu para Santa Catarina no fim de janeiro, foi localizada em uma casa na zona rural e presa. Outro mandado de prisão contra a suspeita, expedido em Ponta Grossa, também foi cumprido na ação.