Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Nova perícia deve esclarecer morte de jornalista em tiroteio com a PM

(Foto: Reprodução) - Nova perícia deve esclarecer morte de jornalista em tiroteio com a PM
(Foto: Reprodução)

A morte do jornalista e publicitário Andrei Gustavo Orsini Francisquini, em um suposto confronto com a Polícia Militar (PM) na madrugada deste domingo (12), no bairro Batel, será investigada. Novas perícias serão realizadas para esclarecer o caso, que teria acontecido após uma tentativa de abordagem.

De acordo com a PM, uma equipe tentou abordar Andrei, de 35 anos, que dirigia um Chevrolet Corsa pela Avenida Vicente Machado. O homem, porém, teria fugido e jogado o carro em direção a uma viatura policial. Ele só parou na Praça da Espanha, local em que teria sacado uma pistola e ameaçado a equipe, que atirou e atingiu o jornalista. O Siate chegou a ser acionado, mas Andrei morreu no local. 

Carro usado por Andrei Francisquini. (Foto: Lucas Rocha/Rede Massa)Carro usado por Andrei Francisquini. (Foto: Lucas Rocha/Rede Massa)

Andrei era filho de Benedito Francisquini, diretor do jornal Tribuna do Vale, de Santo Antônio da Platina. Por meio de nota, Benedito afirmou ser difícil acreditar que o filho sacasse uma arma e reagisse contra vários policiais. “Sinceramente, antevejo mais um desses casos sem solução. As câmeras nunca funcionam, as perícias nunca terminam e tudo acaba no esquecimento, em um país acostumado com a impunidade”, publicou em uma nota no site do jornal. De acordo com o Benedito, Andrei tinha jantado com a mãe na noite de sábado (11) e, após deixa-la em casa, “resolveu se divertir na noite de sábado”. 

O corpo do jornalista foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) e deve ser liberado na tarde desta segunda-feira (13). O carro utilizado pelo homem foi encaminhado ao 3º Distrito Policial.

Confira a nota na íntegra:

Estava me preparando para o almoço, neste domingo (12), quando recebi a inusitada visita do repórter Juninho Queiroz, da Difusora FM.


Achei que era brincadeira de mau gosto, mas logo percebi ser verdade. Meu filho Andrei, o menino maluquinho, que me deu tantas dores de cabeça, mas tinha no coração uma usina de amor, estava morto, aguardando ser reconhecido numa unidade do IML de Curitiba.


Veio com uma conversa esquisita, mas não aguentou e disparou: olha, recebi agora a informação que seu filho Andrei morreu nesta madrugada, num suposto confronto com a Polícia Militar, em Curitiba.


As informações divulgadas até agora pela PM indicam que Andrei Gustavo Orsini Francisquini, de 35 anos, teria fugido de uma abordagem policial e que teria gerado a reação da polícia.


Pelo que conheço de meu filho, tinha aversão a armas e qualquer tipo de violência. Fica difícil acreditar que meu menino sacasse de uma pistola e reagisse contra vários policiais.


Sinceramente, antevejo mais um desses casos sem solução. As câmeras nunca funcionam, as perícias nunca terminam e tudo acaba no esquecimento, num país acostumado com a impunidade.


Como pai, me sinto estraçalhado. Ele estava afastado de mim há algum tempo, por divergência pessoais, mas volta e meia deixa uma mensagem dizendo que me amava!

Sinceramente, não sei como vai ser minha vida a partir de agora!


Benedito Francisquini

Atualização

Em nota, a PM informou que a tentativa de abordagem aconteceu após a equipe ver um homem manuseando uma arma de fogo, dentro de um veículo Corsa, de cor branca. O suspeito, porém, "não acatou a ordem de abordagem, e arrancou com o veículo de maneira brusca". Desta forma, após uma perseguição policial, a equipe teria atirado no pneu do veículo dirigido por Andrei,  que "continuou avançando contra os policiais" e, por fim, foi baleado.

Confira a nota completa:

Conforme registro em Boletim de Ocorrência, em patrulhamento pela Avenida Vicente Machado uma equipe policial viu um homem manuseando arma de fogo dentro de um veículo Corsa branco e tentou abordá-lo, mas o motorista não acatou a ordem de abordagem, e arrancou com o veículo de maneira brusca. A equipe policial iniciou, então, um acompanhamento tático. Na fuga o carro colidiu com um veículo Voyage e continuou fugindo.

Já na rua Fernando Simas o veículo parou, a equipe tentou nova abordagem, mas ele não acatou e engatou marcha à ré e quase atropelou os policiais. Ele também bateu em um veículo gol que estava estacionado. A equipe policial atirou no pneu do carro na tentativa de pará-lo, mas ele continuou avançando contra os policiais, que atiraram novamente. A equipe, então, se aproximou e verificou que o homem estava ferido. O Siate foi acionado para socorrê-lo, mas quando chegou constatou o óbito.

Ainda, conforme consta em Boletim de Ocorrência o homem estava com uma pistola calibre 9mm no colo. A equipe policial acionou a perícia, que recolheu a arma. O veículo corsa foi apreendido pela equipe policial para os procedimentos.

Consultado no sistema, verificou-se que o veículo já havia fugido de uma abordagem policial em 30/03/19, após o condutor ter sido visto efetuando disparos de arma de fogo em via pública. Também consta no sistema um encaminhamento deste mesmo homem, em 2015, na cidade de Jacarezinho (PR) por conduzir veículo com CNH cassada, quando também fugiu da polícia.

Para toda ocorrência deste tipo, envolvendo policial militar e equipamentos da corporação, é aberto um procedimento para apurar as circunstâncias.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo