Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Operação Boi na Linha: golpistas pediam até R$ 10 mil para "devolver" veículos de vítimas

Suspeita presa em Curitiba. (Foto: Divulgação/Polícia Civil) - Boi na Linha: golpistas pediam até R$ 10 mil para "devolver" veículos
Suspeita presa em Curitiba. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Seis mulheres foram presas nesta quinta-feira (14) durante a 2ª fase da Operação Boi na Linha, suspeitas de integrarem uma associação criminosa que extorquia proprietários de veículos em Curitiba, Londrina, Rolândia e Jaguapitã. O alvo eram pessoas que tiveram os veículos furtados ou roubados, e há suspeita de que pessoas com acesso a dados do Estado estejam envolvidas na ação.

O delegado Eric Tutia Guedes, da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV), explicou que a quadrilha usava dados específicos dos veículos furtados para aplicar golpes nas vítimas. “Eles ligam para a vítima de furto e roubo de veículo e pedem cerca quantia em dinheiro para resgate, devolução do veículo. Em algumas ligações eles tinham os dados do chassi, do número do motor, que realmente pessoas comuns não têm acesso”, disse. Por este motivo, há a suspeita de que pessoas com acesso privilegiado a tais dados tenham envolvimento com a quadrilha.

Em alguns casos, eram usados dados disponibilizados pelas próprias vítimas, que divulgavam o roubo do veículo pelas redes sociais. “Muitas vítimas acabam divulgando em redes sociais e outros sites as fotos do veículo furtado ou roubado, inclusive com a placa”, comentou. Mais de 20 pessoas procuraram a especializada em Curitiba para denunciar o golpe e, de acordo com Guedes, pelo menos metade realizou o depósito exigido pela quadrilha. “A quantia era variável, de acordo com o valor do carro eles pediam o depósito, que variava de R$ 300 a R$ 10 mil”.

Dos oito mandados de prisão expedidos, seis foram cumpridos. “A maior parte dessas pessoas fornecia as contas bancárias para que as vítimas depositassem esses valores. Muitas têm passagens pela polícia e relacionamentos com pessoas que praticam esses tipos de golpe”, finalizou o delegado.