Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Operação desarticula grupo especializado em furtos de agrotóxicos

Operação desarticula grupo especializado em furtos de agrotóxicos

Três pessoas, com idade entre 19 e 43 anos, suspeitas de integrar uma quadrilha envolvida em furtos de agrotóxicos de diversas cooperativas agrícolas do Paraná, foram presas na terça-feira (21) durante a “Operação Ceres”, desencadeada pela 9ª Subdivisão Policial (SDP) de Maringá com o apoio da 10ª Subdivisão Policial (SDP) de Londrina. O prejuízo causado pelos suspeitos ultrapassa a margem de R$8 milhões.

Durante a ação foram cumpridos 15 mandados judiciais, sendo nove de prisão preventiva e seis de busca e apreensão. Os mandados foram cumpridos em diversas regiões do município de Londrina, Maringá e Cianorte. Seis dos alvos ainda se encontram foragidos. Uma caminhonete Triton L200 branca, proveniente de origem ilícita foi apreendida no decorrer da operação.

Segundo informações policiais, as vítimas da quadrilha geralmente eram cooperativas situadas na região Norte e Noroeste do Estado. Os suspeitos costumavam agir sempre da mesma maneira, durante a madrugada. “Eles cometiam o crime em 20 minutos. Chegavam no local, arrombavam as portas e furtavam uma carga dos produtos agrotóxicos”, falou o delegado que coordenou a operação, Leandro Roque Munin.

O delegado acrescenta ainda que os suspeitos já tinham um receptador específico para quem forneciam os produtos furtados a um preço inferior ao que valiam, ou então, trocavam por parte do lucro que era obtido durante a comercialização desses insumos.

De acordo com Munin, a associação criminosa é composta por pessoas de Maringá, Londrina e também conta com integrantes do Rio Grande do Sul. “A quadrilha agia com mais frequência no Norte e no Noroeste do Paraná, mas há suspeitas de que demais cooperativas, de outras regiões do Estado, também foram alvos da prática criminosa”, ressalta.

Ceres

A operação levou esse nome em alusão a deusa da agricultura, que se chama “Ceres”. As investigações prosseguem com o intuito de localizar e prender os demais envolvidos no esquema. Os presos na ação responderão por furto qualificado e associação criminosa. Todos permanecem presos à disposição da Justiça.

Colaboração Polícia Civil