Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Polícia investiga denúncia de agressão contra criança em creche

(Foto: Antônio de Picolli / Tribuna do Vale) - Polícia investiga denúncia de agressão contra criança em creche
(Foto: Antônio de Picolli / Tribuna do Vale)

O delegado da 35ª Delegacia Regional da Polícia de Joaquim Távora, Rubens José Perez está investigando a denúncia de uma suposta agressão em uma criança de cinco anos, ocorrida na semana passada no Centro Municipal de Educação Infantil Chapeuzinho Vermelho, em Joaquim Távora. Essa é a segunda denúncia contra a creche esta semana por motivos diferentes.

O delegado contou que está ouvindo não apenas os funcionários e direção da creche, mas também a diretora da Secretaria Municipal da Educação. “Ainda não ouvi a estagiária acusada da agressão. Ela será ouvida ainda esta semana”, informou.

Rubens Perez também disse que foi feita uma perícia no braço da criança e que foi constatado que os hematomas foram feitos por mãos adultas. “Aparecia nitidamente dedos de adulto. Dá a impressão que foi um apertão, um safanão”, disse.

Ainda em fase de oitivas, o delegado explicou que não tem opinião formada sobre o caso. “Ainda não dá para saber exatamente o que aconteceu. A mãe contou a sua história, mas precisamos ouvir todos os envolvidos”, disse.

Brenda Bacili Gomes procurou a delegacia na semana passada para registar um boletim de ocorrência contra uma estagiária da creche - cujo nome será preservado por ser menor de idade e também pelo caso ainda estar em investigação. Segundo Brenda, a estagiária teria dado um apertão tão forte no braço de sua filha, que deixou hematomas. “Quando a menina chegou da escola, fui dar banho e vi o braço dela todo marcado. Tinha sinal de dedos. Eu perguntei para minha filha quem tinha feito isso e ela disse que foi a estagiária”, relatou.

Na terça-feira (16), Brenda disse que conseguiu que sua filha mudasse de classe e não fosse mais acompanhada pela estagiaria em questão. “Também fui orientada a procurar um advogado para entrar com uma ação contra o município. Quero levar essa história adiante, porque essa creche está funcionando com mais de 20 estagiárias, a maioria menor de idade, e sem preparo algum para cuidar de crianças. Assim como já esqueceram de embarcar um menino no ônibus, que mora na zona rural, outras coisas mais graves podem acontecer se nada for feito”, concluiu

A reportagem do Tribuna do Vale conversou com o prefeito Gelson Mansur Nassar sobre o assunto. Ele disse que “prefere aguardar a apuração dos fatos”.

Colaboração Tribuna do Vale