Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Preso homem suspeito de desaparecimento de esposa no ano passado

(Foto: Arquivo / Agência Brasil) - Preso homem suspeito de desaparecimento de esposa no ano passado
(Foto: Arquivo / Agência Brasil)

A Polícia Civil do Paraná confirmou a prisão do homem procurado pelo desaparecimento de Lindiane Navarro Correa, de 25 anos. A mulher desapareceu no dia 8 de dezembro de 2017, em Curitiba, e o homem, então companheiro dela, se tornou o principal suspeito do crime. O corpo de Lindiane até agora não foi encontrado.

Alexandre Nascimento foi preso em flagrante neste fim de semana em Itajaí (Santa Catarina) por uso de documento falso. A polícia local, posteriormente, verificou que contra ele havia dois mandados de prisão em aberto, sendo um deles pela morte de Lindiane. Como o suspeito foi preso em flagrante, não há previsão de quando ele deve ser transferido para Curitiba, de acordo com a Polícia Civil do Paraná.

Lindiane e Nascimento moravam juntos há quatro anos no bairro Abranches, quando ocorreu o desaparecimento. Os dois tiveram uma filha de três anos. Lindiane ainda possuía outro filho, de seis anos, fruto de outro relacionamento.

A polícia divulgou, em fevereiro deste ano, dados sobre o caso para tentar localizar o suspeito e informou que, um dia depois do desaparecimento, a mãe de Lindiane recebeu mensagem supostamente enviada pela filha. O texto, com vários erros de português, apontava que ela estaria indo para um pesque-pague.

Segundo a Polícia Civil, horas depois, o homem apareceu na casa da sogra com o menino de seis anos e ele não soube explicar onde estava Lindiane. Posteriormente, o homem contou para a mãe da vítima que estava se separando da mulher porque havia descoberto uma traição, o que foi contestado por ela. Nascimento, no mesmo dia, deixou a filha de três anos na casa da sogra, que passou a enviar mensagens para o celular da filha. Elas eram visualizadas, mas não eram respondidas.

A mãe de Lidiane ligou para o celular da filha, que foi atendido pelo homem. A polícia informou que ele passou várias versões para justificar a posse do aparelho, o que gerou desconfiança.

* Texto atualizado às 16h52 após informação repassada pela Polícia Civil de que o mandado de prisão temporária é pelo desaparecimento de Lindiane, e não pela morte da mulher, como divulgado inicialmente