Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Presos de Piraquara participam da campanha 72 mil Tsurus pela Paz

Presos de Piraquara participam da campanha 72 mil Tsurus pela Paz

Presos custodiados na Penitenciária Central do Estado - Unidade de Progressão (PCE-UP), em Piraquara, Região Metropolitana de Curitiba, participam da campanha 72 mil Tsurus pela Paz. A iniciativa é uma homenagem do Brasil às vítimas das bombas nucleares que atingiram as cidades japonesas de Okinawa, Hiroshima e Nagasaki, durante a Segunda Guerra Mundial, que completa no mês de agosto 72 anos do seu término.

Utilizando-se do origami - arte tradicional e secular japonesa de dobrar o papel, criando representações de determinados seres ou objetos - os detentos receberam treinamento para confeccionar o tsuru, uma ave considerada sagrada no Japão, símbolo da saúde, boa sorte, felicidade e da paz. De forma voluntária, a meta dos detentos é produzir 50 mil tsurus até 21 de julho.

Segundo a organizadora da ação, Ligia Oizumi, os tsurus produzidos pelos detentos serão distribuídos aos torcedores presentes no jogo entre Coritiba e Chapecoense, no dia 06 de agosto, em Curitiba, aos pacientes de hospitais das três cidades japonesas, no museu de Himeyuri em Okinawa e no Monumento das Crianças à Paz em Hiroshima.

"O objetivo da campanha é conscientizar a população sobre a importância da paz. Desde a primeira aula pude perceber o carinho e a dedicação com que esses homens estão fazendo esse trabalho, a perfeição da dobra. Há amor e carinho em todo ser humano e precisamos resgatar isso", disse Oizumi.

Para o preso E.G, de 21 anos, que está há quatro meses na penitenciária, a dobradura em papel foi uma novidade. "Nunca tinha visto antes, no começo foi difícil de fazer e achei bem interessante. Fico feliz em levar conforto e ajudar de alguma forma as pessoas que perderam seus familiares, é gratificante", contou.

"É importante que os detentos se envolvam em atividades de caráter social e humanitário, são valores essenciais que precisam ser trabalhados. Todos os participantes se candidataram de forma voluntária e isso demonstra o comprometimento deles com o outro, em ajudar e fazer a sua parte como cidadão", afirmou a diretora da penitenciária, Cinthia Mattar Bernardelli Dias.

Colaboração Depen/PR