Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Projeto com detentos conquista Prêmio Innovare 2017

(Foto: AEN) - Projeto com detentos conquista Prêmio Innovare 2017
(Foto: AEN)

O projeto Visão de Liberdade, da Penitenciária Estadual de Maringá,  é o vencedor da categoria Justiça e Cidadania da 14ª edição do Prêmio Innovare, cuja solenidade de premiação foi realizada na última terça-feira (5) em Brasília. O Prêmio Innovare procura valorizar iniciativas que buscam soluções para os desafios enfrentados por todos que atuam no sistema de Justiça, sejam eles de natureza administrativa ou judicial.  O projeto paranaense concorreu com outras 710 práticas recebidas pelo Innovare. 

Desde 2004, detentos confeccionam livros digitados para impressão em braille, livros falados, materiais em relevo, maquetes e jogos adaptados, entre outros materiais que são encaminhados para os alunos cegos de escolas públicas. O material feito pelos presos é distribuído para 127 municípios do Paraná atendidos pelo Centro de Apoio Pedagógico - CAP Maringá.

Já foram produzidos pelos detentos custodiados na penitenciária 84.820 trabalhos de material didático em relevo, 453 livros e 54 apostilas digitados, 126 livros falados e 12 apostilas, com tiragem de 175 cópias cada. Além dos municípios atendidos pelo CAP de Maringá, o projeto já enviou materiais para todo o Brasil, inclusive para uma biblioteca pública da cidade de Sobreda, em Portugal.

São parceiros do projeto o Conselho Comunitário de Segurança de Maringá (Conseg); o Centro de Apoio Pedagógico para Atendimento às Pessoas com Deficiência Visual (CAP), da Secretaria de Estado da Educação; Associação Maringaense de Amigos do CAP (Amacap); Penitenciária Estadual de Maringá; Colônia Penal Industrial de Maringá; Departamento Penitenciário do Paraná, Receita Federal de Maringá; Fundação Banco do Brasil; Instituto Viva Cidadania; Justiça Federal de Maringá e a Associação Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil.

O presidente do Conseg (Conselho Comunitário de Segurança) de Maringá, instituição parceira no projeto, coronel Antonio Tadeu Rodrigues, diz que esta é uma iniciativa de mão dupla, porque além de favorecer os alunos com deficiência visual por receberem material didático apropriado, é uma importante ação de recuperação e ressocialização dos detentos. “Projetos como o Visão de Liberdade merecem destaque porque é extremamente necessário dar ao detento condições de se tornar um indivíduo melhor e pronto para voltar a viver em sociedade”, frisa Rodrigues.

Colaboração AEN