Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Promotor responsável pelo caso Daniel não acredita em estupro: “é impossível”

(Foto: Assessoria P2/Divulgação) - Promotor responsável pelo caso Daniel não acredita em estupro
(Foto: Assessoria P2/Divulgação)

Milton Salles, promotor responsável pelo caso do jogador Daniel Corrêa Freitas, assassinado no dia 27 de novembro, falou com a imprensa nesta quarta-feira (7), a respeito de sua análise do crime. O promotor visitou a casa da família Brittes, onde a vítima foi espancada, e também o matagal onde o corpo foi encontrado, e disse ter se surpreendido com a dimensão da residência. O proprietário da casa é Edison Brittes, autor confesso do homicídio.

De acordo com Salles, o quarto onde Daniel e Cristiana Brittes, esposa de Edison, estavam, ficava muito próximo do salão de festas, onde a comemoração do aniversário de Allana Brittes, filha do casal, acontecia. Conforme a versão do suspeito, ele teria ouvido gritos de socorro da esposa e, para defender Cristiana de um possível estupro, espancou o jogador.

Para Salles, é impossível que o estupro tenha sido a motivação para o assassinato cruel da vítima, que teve o pênis decepado e quase foi degolada. “´Primeiro pelo teor alcoólico em que o rapaz se encontrava, segundo pela própria personalidade dele, e terceiro pela situação em que os fatos aconteceram”. O promotor destacou ainda a circunstância do local em os envolvidos estavam, devido à dimensão da casa. “Qualquer grito ali seria perfeitamente possível de ouvir, o local onde eles estavam [o salão de festas] é próximo do quarto. A porta do quarto dá direto na sala, é um ambiente pequeno, é impossível acontecer uma coisa diferente, fora da normalidade, e as pessoas não perceberem”.

O promotor relatou que a crueldade do crime cometido contra Daniel foi “totalmente fora de qualquer tipo de normalidade. “Nada justifica o sadismo e a violência deste crime”, frisou. “Eu vou tentar encontrar um motivo razoável que não o ódio, puro e simples, uma situação em que se perdeu o controle”.

Colaboração William Bittar/ Rede Massa