Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Protesto deixa presos da Lava Jato e Carne Fraca sem visitas

Protesto deixa presos da Lava Jato e Carne Fraca sem visitas

Presos do Complexo Médico Penal de Pinhais, na Grande Curitiba, não puderam receber as visitas previstas para esta sexta feira (19). Entre os internos do presídio estão presos da Operação Lava Jato e da Carne Fraca, da Polícia Federal. A suspensão das visitas fez parte de um protesto realizado pelos agentes penitenciários do Paraná contra a PEC 287, que altera as regras da Previdência Social. 

Os servidores impediram a entrada de todas as visitas com o objetivo de chamar a atenção da imprensa e da sociedade para as críticas da categoria à reforma da Previdência. De acordo com o Sindarspen, sindicato que representa os agentes, parte das visitas prevista para esta sexta já teria sido adiada. Mas ainda assim visitantes chegaram a ir até o CMP e foram impedidos de entrar. A ação também teve a participação de agentes penitenciários de São Paulo. 

Os agentes argumentam que a PEC retira da Constituição Federal a possibilidade de aposentadoria diferenciada da categoria. Eles alegam que têm tentado negociar com a base a aliada do Governo no Congresso para barrar a reforma, sem sucesso.  

"Pré-greve" 

O ato desta sexta feira (19) foi uma "prévia" da greve prevista para começar neste sábado (20). Nos dias 20, 21 e 22, a categoria vai realizar uma greve em todo o estado para reforçar a posição de contrariedade à PEC 287. “A nossa base decidiu pela greve. Não vamos vender nossa categoria em troca de acordo com um governo que não merece qualquer credibilidade”, defendeu a presidente do Sindarspen, Petruska Sviercoski.

A mobilização está confirmada desde a última terça feira (16)  e integra a agenda nacional da categoria. Servidores de estados como Sergipe, Alagoas e Rio de Janeiro já cruzaram os braços nesta sexta. De sábado à segunda, os agentes do Paraná que estiverem de plantão só executarão tarefas essenciais, como entrega de comida aos presos, escolta para audiências, cumprimento de alvará de soltura e emergências médicas. Todas as outras atividades estarão paralisadas, como banho de sol, trabalho, escola e recebimento de visitas.