Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Responsável por grave acidente do Batel se apresenta na delegacia

(Foto: Luiz Mandelli/Rede Massa) - Responsável por grave acidente do Batel se apresenta na delegacia
(Foto: Luiz Mandelli/Rede Massa)

Leonardo de Fonseca Magalhães, de 22 anos, que causou um grave acidente no último sábado (7), na Avenida do Batel, em Curitiba, se apresentou na Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran). Ele recebeu alta do Hospital Marcelino Champagnat no fim da manhã desta sexta-feira (13).

Após prestar esclarecimentos ao delegado da Dedetran, Leonardo irá ao Instituto Médico Legal e em seguida será encaminhado para uma unidade do Departamento Penitenciário (Depen), onde irá colocar uma tornozeleira eletrônica, conforme decisão judicial

Leonardo estava hospitalizado desde o dia do acidente e, de acordo com informações divulgadas pela assessoria de imprensa do hospital, ficou internado da UTI em estado grave. 

"Arrependido"

Leonardo ficou poucos minutos na delegacia e na saída disse apenas uma frase, quase inaudível: "Eu errei e vou arcar com os meus erros na Justiça".

A advogada Louise Mattar Assad alegou que o rapaz está arrependido e "não vai fugir de suas responsabilidades". 

Além disso, a advogada disse que o jovem passou por uma cirurgia no rosto, está sem os dentes superiores e com placas e pinos no rosto. Por isso, não tem condições de falar. 

(Foto: Reprodução)(Foto: Reprodução) 

Silêncio

O delegado Anderson Franco afirmou que Leonardo permaneceu em silêncio, conforme orientação de sua advogada. "O que temos no inquérito policial até o momento são as provas coletadas e relatos de testemunhas, algumas relatam a velocidade aproximada [da motocicleta pilotada por Leonardo no momento do acidente]. As testemunhas também falam que ele empinava o veículo e vídeos comprovam", disse.

Franco afirmou ainda que a motocicleta envolvida no acidente está no nome de uma terceira pessoa, que deve responder por ceder o veículo a um motorista com habilitação suspensa. "O dono do veículo será ouvido para ver em quais condições a moto estava em posse do autor".

Colaboração Daniela Borsuk e Rede Massa