Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Sargento da PM mata ex-esposa e depois se mata no litoral

(Foto: Arquivo pessoal) - Sargento da PM mata ex-esposa e depois se mata no litoral
(Foto: Arquivo pessoal)

Um sargento da reserva da Polícia Militar (PM-PR) matou a ex-esposa a tiros, no bairro Jardim Figueira, em Paranaguá, e depois cometeu suicídio. O feminicídio foi registrado na manhã deste sábado (20).


Sidnei da Rosa Silva, de 48 anos, foi até a casa da ex e abriu fogo no local. A PM não soube informar por qual motivo os dois estavam na mesma casa, já que estão separados há cerca de um ano. A vítima tinha 28 anos.

Quatro crianças moravam com a mulher: três filhos do ex-casal e um filho de outro relacionamento dela.

Em entrevista ao Massa News, o tenente Lucas Corrêa explicou que a PM foi acionada pela primeira vez às 7h49, quando vizinhos perceberam que havia uma discussão. Na sequência, relataram que objetos da casa foram quebrados e ao menos dois tiros foram ouvidos.

Histórico de violência

"Já havia ocorrências contra o agressor. O acionamento mais recente da vítima aconteceu no início deste ano. A agressão foi confirmada por exames de corpo de delito, mas o homem não foi preso porque fugiu antes da chegada da PM", contou o tenente do 9.º Batalhão da Polícia Militar.

Lucas Corrêa afirmou que não havia medidas protetivas em vigor contra Sidnei da Rosa Silva.

Assistência à família

Os três filhos do ex-casal foram encaminhados para a casa de uma das tias, que é irmã do agressor. A outra criança, que não é filha de Sidnei, agora estão sob os cuidados da avó paterna.

A Polícia Militar fará o acompanhamento da família e as crianças passarão por tratamento psicológico.

Arma do crime

O sargento da reserva usou a mesma arma para matar a ex-esposa e depois tirar a própria vida. Segundo o tenente Lucas Corrêa, a pistola era particular e estava devidamente registrada. Sidnei da Rosa Silva, apesar dos B.O.s por agressão, tinha permissão para andar armado.

Ele atirou ao menos duas vezes contra a ex-esposa e deixou imediatamente o local do crime, no bairro Jardim Figueira. O sargento da reserva foi para a casa onde morava, no Porto dos Padres (bairro vizinho), onde tirou a própria vida.

Investigações

Após o isolamento do local e encaminhamento das crianças, a Polícia Militar repassou as informações coletadas no local para a Polícia Civil, que agora investiga o crime.

O Instituto de Criminalística (IC) acompanha o caso.