Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Servidor público é acusado de mutilar cadela, que terá perna amputada

(Foto: Reprodução Facebook Saau) - Servidor público é acusado de mutilar cadela, que terá perna amputada
(Foto: Reprodução Facebook Saau)

A Sociedade de Amparo aos Animais de Umuarama (Saau) recolheu na terça-feira (7) uma cadela que foi violentamente agredida e que terá uma perna amputada. A ONG informou que o animal corre o risco de não sobreviver, pois perdeu muito sangue.

O autor da agressão seria um funcionário da Prefeitura, que atua no setor de roçadas urbanas.

O fato ocorreu na região da avenida Olinda. Segundo postagem na página da entidade, a cadela teria latido instintivamente para proteger suas duas crias, ao que o servidor reagiu com a roçadeira, ocasionando dois graves ferimentos no animal.

A Saau registrou um boletim de ocorrência por maus tratos.

O caso gerou revolta em muitos internautas, que consideram que o funcionário extrapolou ao utilizar o aparelho ligado, mesmo que para se defender.

Pelas redes sociais, a população exige que a Prefeitura exonere o agressor.

Prefeitura

A Divisão de Recursos Humanos da Secretaria Municipal de Administração disse que abrirá, nos próximos dias, uma sindicância para apurar as responsabilidades do servidor público envolvido no episódio. Para o secretário municipal de Serviços Públicos, José Guimarães de Melo, a agressão foi apenas uma “triste fatalidade”. "Foi um triste acidente, uma fatalidade. O mato estava alto. Infelizmente o animal se assustou com o barulho da roçadeira e avançou sobre a lâmina”, disse.

Por sua vez, a Sociedade de Amparo aos Animais de Umuarama (Saau), que recolheu a cachorra e dois filhotes, registrou queixa por maus tratos. Colaboradores procuraram levantar as circunstâncias e encaram o caso como uma agressão que poderia ter sido evitada. Além da sindicância, o agressor deverá responder criminalmente, uma vez que o caso foi registrado na delegacia.

Colaboração O Bemdito