Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

UEL institui equipe para continuar investigando tremores em Londrina

(foto: N.Com/Divulgação) - UEL institui equipe para continuar investigando tremores em Londrina
(foto: N.Com/Divulgação)

A reitora da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Berenice Jordão, publicou uma portaria instituindo um grupo de trabalho para continuar investigando a origem de tremores de terra registrados desde dezembro do ano passado em Londrina. Além do professor do departamento de Geografia José Paulo Pinese, que acompanha o caso desde o início, integram a equipe os engenheiros do Centro de Tecnologia e Urbanismo (CTU) Fernando Fernandes (hidráulica), Gilberto Carbonari (estruturas) e Carlos José Costa Branco (fundações e mecânica de solos).

O objetivo do grupo é oficializar e respaldar as investigações, atendendo um pedido da prefeitura de Londrina e da Defesa Civil estadual.

“Não se trata de um grupo de discussão de opiniões, mas de um grupo empenhado em compilar e interpretar informações científicas existentes e obter novas, com o objetivo de, a partir de dados científicos e bem embasados, fornecer elementos para que a administração pública e defesa civil exerçam seu papel”, afirma Pinese.


 Até o momento, as investigações apontam para tremores de terra provocados por causas naturais, com magnitude máxima de 1,9 grau na escala Richter.

 Os epicentros são os jardim Califórnia e São Fernando, mas também foram registrados eventos no Centro Cívico, jardim Petrópolis e na região do Centro de Eventos.


 “As profundidades de origem desses sismos são pequenas, e predominam entre 10 e 100 metros aproximadamente, sempre em rochas. Não há evidência alguma que possa relacioná-los com obras civis desenvolvidas na camada de solos”, aponta o professor, ressaltando que as fortes chuvas que caíram na cidade durante o mês de janeiro têm papel determinante no registro de rachaduras em edificações.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo