Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Vigaristas fitness são presos pela polícia

Um esquema criminoso que vendia “consultorias fitness” em Curitiba foi desmantelado nesta terça-feira (26) pela Polícia Civil. Duas pessoas foram presas: um falso médico (Jodilson Veloso Marcelinho Filho, 29 anos) e um falso personal trainer (Edilson Azevedo da Silva, conhecido como “Lavoura”, 36 anos). As prisões são temporárias, válidas por 30 dias.

A Polícia Civil também cumpriu três mandados de busca e apreensão, na casa dos suspeitos e na “Clinic Live”, a clínica médica que pertence a Marcelino Filho. O falso médico se apresentava aos clientes como doutorando em medicina, com experiência em nutrologia e endocrinologia. “Na realidade ele é um acadêmico e cursava o 9º período de medicina na Universidade Federal do Paraná (UFPR)”, esclareceu o delegado André Gustavo Feltes.

O titular da Delegacia de Crimes Contra a Economia e Proteção ao Consumidor (Delcon) ainda explicou que o falso personal trainer, “Lavoura”, não chegou a cursar Educação Física.

Além da consultoria fraudulenta, as investigações preliminares indicam que o esquema prescrevia e vendia anabolizantes adulterados. “O produto era desenvolvido em uma farmácia de manipulação e posteriormente eram acrescidas outras substâncias para aumentar o rendimento”, complementou o delegado.

A Polícia Civil já identificou ao menos uma farmácia que era usava pelos golpistas. A investigação ainda não esclareceu se o responsável técnico pela farmácia era vítima dos falsos profissionais, ou se de alguma forma eles trabalhavam como parceiros.

Os presos foram levados ao Centro de Triagem, onde permanecem detidos à disposição da Justiça. Eles responderão por crimes como exercício ilegal da medicina, associação criminosa, falsidade material, falso testemunho e adulteração de produtos destinados a fins medicinais. Marcelino Filho pode pegar uma pena de até 33 anos de prisão. “Lavoura”, se condenado, poderá cumprir pena de até 18 anos.

Colaboração Jairo Nascimento/Rede Massa