Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Ao menos uma UPA terá gestão compartilhada no segundo semestre

(Foto: jhoje.com.br) - Ao menos uma UPA terá gestão compartilhada no segundo semestre
(Foto: jhoje.com.br)

Para melhorar o atendimento nas UPAs (Unidades de Pronto-Atendimento), a Prefeitura de Cascavel estuda um modelo de gestão compartilhada da saúde, adotando modelos diferentes de gerenciamento – uma pelo Consamu (Consórcio Intermunicipal Samu Oeste) e outra por uma OS (Organização Social). Além disso, os profissionais que hoje atendem nas UPAs poderão ser direcionados a outras unidades básicas, reforçando a atenção primária.

Conforme a assessoria de imprensa da prefeitura, a princípio a gestão compartilhada deve atingir duas das três UPAs que funcionam em Cascavel. “Não há prazo definido para que o novo sistema seja implantado, mas a expectativa do prefeito Leonaldo Paranhos é de que no início do segundo semestre pelo menos uma das unidades já esteja funcionando com um dos novos modelos”, especifica a assessoria. A assessoria não informou, no entanto, qual seria a primeira UPA a atender com o novo modelo de gestão.

Como funciona

Quanto ao funcionamento dos modelos, o Município contrata a gestão do Consamu e de uma OS. No caso da OS é preciso fazer um chamamento público. Em ambos os casos é necessário o cumprimento de metas do Ministério da Saúde às UPAs.  “O modelo do Consamu existe em Guaíra. O modelo de OS existe em centenas de municípios pelo País. São Organizações Sociais privadas especializadas em atendimento na saúde. Contrata-se uma OS para fazer o atendimento em uma UPA”, esclarece. Os detalhes dessa contratação serão especificados ao fim dos estudos de viabilidade que estão sendo feito pelo município.

Na prática

Com o modelo de gestão compartilhada em vigor, a UPA Pediátrica, por exemplo, atenderia pacientes de outras faixas etárias, assim como na UPA Veneza as crianças também seriam atendidas. “Existe um direcionamento e esforços para que o atendimento pediátrico deixe de ficar concentrado em apenas uma única UPA como é hoje”, reitera a assessoria.

Colaboração jhoje.com.br