Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Ataídes: não será pedido à PGR que solicite prisão de ex-procurador Vilela

O senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) divulgou representação em que pedia à Procuradoria-Geral da República (PGR) que solicitasse a prisão do ex-procurador Ângelo Vilella. O pedido estava em documento que também tratava da mesma medida para o ex-procurador Marcello Miller, ambos envolvidos na delação premiada da JBS.

Segundo o gabinete do parlamentar, o pedido de prisão contra Vilella, no entanto, foi um erro. O nome de Vilella teria sido incluído na representação por engano. Ele não será alvo de pedido de prisão em representação elaborada pelo parlamentar. Apesar disso, a assessoria de Ataídes Oliveira informou que a representação correta, sem menção a Vilella, será protocolada na PGR amanhã.

No documento correto, Ataídes Oliveira pede que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, faça um novo pedido de prisão contra o ex-procurador Marcello Miller. Isso porque a CPMI conseguiu, argumenta o senador na representação, estabelecer uma cronologia dos fatos que evidenciam, "com uma clareza solar, a participação efetiva e criminosa" de Miller na colaboração premiada dos irmãos Batista, donos da JBS. O acordo está suspenso porque os delatores teriam omitido informações das autoridades mesmo após o acordo firmado com a PGR.

Em nota, a defesa de Marcello Miller diz que considera "estranha" a notícia de representação por prisão, tendo em vista que a única autorização legal para pedidos cautelares por presidente da CPI diz respeito a bens, e mesmo assim quando houver "indícios veementes da proveniência de bens ilícitos".

Leia a íntegra do comunicado divulgado pela defesa de Marcello Miller:

A defesa de Marcello Miller esclarece que:

1. Embora amparado por habeas corpus que lhe garantia o direito ao silêncio, Marcello Miller compareceu à CPI e respondeu a todas as perguntas feitas, explicando com clareza o conteúdo e o contexto dos elementos que lhe foram apresentados.

2. Marcello Miller não cometeu crime algum. Não poderia ter integrado organização criminosa, pois seu objetivo era o contrário: incentivar a remediação da empresa J&F, inclusive perante autoridades públicas. Não praticou exploração de prestígio, pois nunca solicitou nem recebeu utilidade alguma a pretexto de influir em quem quer que fosse.

3. A alegação de uso do cargo por Miller é inteiramente desprovida de fundamento e colide com a prova documental por ele apresentada à CPI em sessão aberta. A prova é clara no sentido de que Miller não exerceu, no MPF, nenhuma atribuição relativa ao grupo J&F, seus controladores ou seus executivos.

4. A defesa estranha a notícia de representação por prisão, tendo em vista que a única autorização legal para pedidos cautelares por presidente da CPI diz respeito a bens, e mesmo assim quando houver "indícios veementes da proveniência de bens ilícitos (Lei nº 13.367, de 2016)", o que de fato não ocorreu no caso de Marcello Miller.

5. Marcello Miller se mantém à disposição das autoridades, inclusive da CPI, para prestar quaisquer esclarecimentos que julguem necessários.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo