Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Câmara de Mauá abre dois processos de cassação do prefeito Átila Jacomussi

A Câmara de Mauá, na Grande São Paulo, abriu nesta quarta-feira, 16, duas comissões processantes para analisar sete pedidos de impeachment do prefeito Átila Jacomussi (PSB), preso em 13 de dezembro pela Polícia Federal na Operação Trato Feito - investigação sobre suposto mensalão de R$ 500 mil pago a ele via nove empresas fornecedoras de sua gestão.

A Trato Feito põe sob suspeita também 22 dos 23 vereadores de Mauá, todos alvos de buscas e indiciados, com Átila, por corrupção passiva e organização criminosa. Os parlamentares teriam sido contemplados com valores ilícitos para dar apoio à administração Átila. Todos negam.

No dia da Operação Trato Feito os policiais federais apreenderam R$ 1 milhão em dinheiro vivo em vários endereços de investigados.

A Trato Feito é um desdobramento da Operação Prato Feito, esta deflagrada em maio de 2018 para investigar supostas propinas para Átila e fraudes em licitações da merenda escolar de Mauá. Naquela ocasião, o prefeito foi preso pela primeira vez. Em junho, ele foi solto por ordem do ministro Gilmar Mendes, do Supremo.

Atualmente, o prefeito está preso na Penitenciária de Tremembé, no Vale do Paraíba.

Ele terá oportunidade de apresentar sua defesa nos processos de cassação da Câmara.

Defesas

O criminalista Daniel Leon Bialski, que representa a defesa do prefeito Átila Jacomussi, esclareceu que "o processo de impeachment é muito mais político do que jurídico". "Por isso, espera-se que o processo e o julgamento seja feito de forma justa, observando-se os princípios da legalidade, imparcialidade e respeitando o direito de defesa, algo que a delegada que presidiu as investigações não fez", afirma Bialski.

"As acusações contra o prefeito Átila Jacomussi são apenas falácias, baseadas muito mais na opinião e no arbítrio da delegada do que em fatos, testemunhas e provas", afirma o advogado.

Ele diz que "chama a atenção a Polícia Federal ter feito a investigação mesmo falecendo-lhe competência, já que os fatos deveriam ser investigados pela Polícia Civil e julgados pela Justiça Estadual, como já declarou e requereu o próprio Ministério Público".

"Enfim, não há qualquer prova, testemunha ou gravação que mostre o recebimento de dinheiro ou atos ilícitos praticados diretos ou indiretamente pelo prefeito. Muito pelo contrário, a vida política de Átila sempre foi pautada pela honestidade e correção."

Quando a Operação Trato foi deflagrada, a Câmara de Mauá informou: "Em relação à operação realizada pela Polícia Federal na manhã de hoje (quinta, 13 de dezembro), todos os gabinetes foram vistoriados (23 gabinetes de vereadores, mais o gabinete da presidência)."

"Servidores da Câmara prestaram esclarecimentos aos agentes da polícia, colaborando prontamente com a vistoria realizada, que ocorreu de forma tranquila e organizada. Não houve desentendimento e ninguém foi detido."

"A Câmara de Mauá mantém-se, como sempre esteve, à disposição da Justiça, bem como das demais instâncias de poder, para prestar esclarecimentos que se fizerem necessários."

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo