Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Com pauta congestionada, Cármen convoca sessão extraordinária no STF

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, decidiu convocar uma sessão extraordinária para a manhã da próxima quarta-feira, 13, para dar conta da pauta congestionada da Corte neste fim de ano. No mesmo dia, os ministros se reunirão no plenário à tarde.

Nesta quinta-feira, 7, estava previsto o julgamento de uma ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra a possibilidade de a Polícia Federal firmar acordos de colaboração premiada.

No entanto, os ministros dedicaram toda a sessão para a discussão sobre a imunidade conferida a deputados estaduais pelas constituições do Rio de Janeiro, Mato Grosso e Rio Grande do Norte - esse julgamento, no entanto, só deve ser concluído após o retorno dos ministros Ricardo Lewandowski (que está de licença médica) e Luís Roberto Barroso (que cumpre agenda no exterior).

Roteiro

Cármen pretende julgar na manhã da próxima quarta-feira o recurso do senador Ivo Cassol (PP-RO), condenado em agosto de 2013 a 4 anos, 8 meses e 26 dias de detenção em regime semiaberto, por fraudes a licitações.

Conforme revelou o Estadão/Broadcast Político, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, apresentou um requerimento formal a Cármen, relatora do caso, para que priorize a marcação desse julgamento.

Logo depois, a presidente do Supremo pretende iniciar o julgamento sobre os acordos de colaboração premiada firmados pela Polícia Federal. "É importante ao menos iniciar - e seria ideal concluir - o julgamento dessa controvérsia", disse o ministro Celso de Mello. O decano da Corte defendeu a resolução do caso afirmando que quando o Ministério Público e a PF estão em conflito, a "grande e talvez única vítima" é a sociedade.

"Essas duas importantes instituições são órgãos da persecução penal, e devem atuar de maneira harmoniosa e compatível com o interesse público. E por isso acho importante que se resolva logo essa controvérsia", observou Celso de Mello.

Temer

Também no dia 13 de dezembro está previsto o julgamento sobre o desmembramento das investigações do chamado "quadrilhão" do PMDB da Câmara. No centro do debate está a discussão sobre o alcance da imunidade presidencial. No mesmo dia, a pauta ainda prevê a análise dos pedidos de liberdade do empresário Joesley Batista e do executivo Ricardo Saud, que tiveram as prisões temporárias convertidas em preventivas pelo ministro Edson Fachin, do STF, em setembro. Além das sessões pela manhã e pela tarde na próxima quarta-feira, o plenário do STF se reunirá na quinta-feira da próxima semana, 14, e na manhã do dia 19 de dezembro, último dia de trabalho dos ministros da Corte.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo