Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

CPI dos Fundos de Pensão sobe estimativa de perdas para R$ 6,62 bilhões

Investigações realizadas por deputados, e divulgadas nesta quinta-feira, 14, pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), revelam que as perdas dos fundos de pensão com 15 operações subiu de R$ 4,26 bilhões para R$ 6,62 bilhões. Os dados são analisados pela CPI que investiga esses fundos e tem de votar, hoje, o relatório final da investigação. O acréscimo no valor foi gerado por novos dados que indicam prejuízos de R$ 2,35 bilhões para Funcef, Previ e Petros em operações com a Sete Brasil.

Segundo o relatório, as perdas ocorreram em investimento em cotas do FIP Sondas da Sete Brasil. Neste caso, Funcef e Petros perderam, cada uma, R$ 1.107.147.580,90. A Previ teria perdido R$ 143.974.291,29.

O relatório da CPI, feito pelo deputado Sérgio Souza (PMDB-PR), pede a apuração de responsabilidade civil de 153 agentes e instituições privadas (até terça-feira eram 158). Neste caso, os nomes serão encaminhados ao Ministério Público para análise e propositura de Ação Civil Pública por Ato de Improbidade Administrativa e ressarcimento aos fundos.

O relator também pediu ao Ministério Público a apuração de responsabilidade penal de 144 pessoas (antes eram 145). Encaminhou ainda, aos órgãos de controle externo, pedido para instauração de 50 procedimentos administrativos e outras medidas. Esses números, no entanto, podem ser atualizados ao longo da votação de hoje.

A comissão analisou 15 casos que apontaram fraude e má gestão dos investimentos feitos pelos dirigentes da Previ (dos funcionários do Banco do Brasil), da Petros (Petrobras), Funcef (Caixa Econômica Federal) e do Postalis (Correios). O presidente da Comissão, Efraim Filho (DEM-PB), pediu que o relator acrescentasse aos documentos da CPI um acórdão do Tribunal de Contas da União (TCU), emitido ontem, e que indica irregularidades no Postalis e problemas na Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc).

Indiciamento

O deputado Marcos Vicente (PP-ES) pediu o indiciamento de diretores e do superintendente da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc). O pedido foi feito durante apresentação de voto em separado.

De acordo com Vicente, houve aparelhamento nos fundos de pensão e na Previc. "A Previc foi omissa e não podemos acompanhar essa omissão", disse. "Entre as delações que estão sendo feitas, com certeza, vai aparecer a questão dos fundos de pensão. Isso vai virar um caso do tamanho do 'petrolão'", afirmou. O voto dele, assim como o apresentado pelo líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PPS-PR), que pede o indiciamento de cinco executivos ligados ao PT, ainda precisa ser acatado pela CPI.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo