Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Decisão de Gilmar Mendes “não faz justiça aos fatos”, afirma Batisti

O coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Leonir Batisti, comentou na manhã deste sábado (15) a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, que determinou a soltura de Beto Richa. O ex-governador do Paraná e outras 14 pessoas foram presas na última terça-feira (11), durante a Operação Rádio Patrulha. Todos deixaram a prisão nesta madrugada, horas depois de ter sido determinada pela Justiça do Paraná a prisão preventiva dos investigados.

“Entendemos que ela [a decisão] não faz justiça aos fatos porque o ministro está distante”, afirmou Batisti. Além disso, o coordenador do Gaeco classificou como “altamente duvidosa em termos legais” a estratégia da defesa de Richa, que encaminhou o pedido diretamente a Gilmar Mendes. “Não houve distribuição, ao que saibamos não foi proferido por um ministro de plantão”.

Batisti afirmou ainda que o Ministério Público vai examinar hipóteses de recurso à decisão.

Mais uma vez o coordenador do Gaeco afirmou que a Operação foi realizada “do modo mais correto e profissional possível”. Além disso, a Batisti afirmou que a operação também foi embasada pelo fato de que o grupo investigado teria oferecido, em agosto deste ano, o pagamento de R$ 1,4 milhão em dinheiro vivo e mais um apartamento em um conjunto de salas comerciais para que uma testemunha mentisse em depoimento.