Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Delação de fazendeiro levou Puccinelli para a cadeia da Lama Asfáltica

A delação do pecuarista Ivanildo da Cunha Miranda foi o ponto de partida para a prisão do ex-governador de Mato Grosso do Sul André Puccinelli (PMDB) na Operação Papiro de Lama, quinta etapa da Lama Asfáltica, deflagrada nesta terça-feira, 14, pela Polícia Federal. Miranda é apontado como operador de propinas e foi citado em outra delação, de executivos da JBS.

Puccinelli foi preso logo ao amanhecer por agentes da PF. Ele estava em sua residência, em Campo Grande. O filho do ex-governador, advogado André Puccinelli Júnior, foi levado para depor na PF.

A Polícia Federal já havia requisitado anteriormente a prisão do peemedebista, em maio, mas a Justiça não autorizou a medida. Na ocasião, foi determinado o monitoramento do ex-governador por tornozeleira eletrônica. Nesta quinta etapa da Lama Asfáltica, a PF insistiu no decreto de prisão de Puccinelli, apresentando, entre outras provas, os relatos de Miranda.

O fazendeiro contou que pegava a propina em dinheiro vivo em São Paulo e levava até Puccinelli. O dinheiro era levado em mochilas e caixas, revelou o delator. O nome de Miranda surgiu na quarta fase da Lama Asfáltica. Executivos da JBS, que fecharam acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República, o citaram como suposto operador do esquema Puccinelli no período entre 2007 e 2014.

O empresário Wesley Batista, um dos acionistas da J&F - atualmente preso na PF em São Paulo -, contou em sua delação que o então governador do PMDB e o pecuarista entraram em rota de colisão, no fim do mandato de Puccinelli, em 2014.

Miranda não está entre os presos da Papiro de Lama. Segundo a PF, ele usa o termo "comissão" ao se referir ao dinheiro que levava a Puccinelli. A PF assinala que as provas contra o ex-governador não se limitam aos relatos do fazendeiro delator.

"Não é só o testemunho dele (Miranda). Documentos comprovam (a delação)", diz um investigador. "Óbvio que quem paga e quem recebe propina, normalmente, não vai dar um recibo. Então, todo o arcabouço tem que ser comprovado de forma documental. No caso da Lama Asfáltica não têm recibos, mas planilhas."

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo