Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Deputado pede para STF juntar pedido de impeachment de Temer a processo de Dilma

O deputado Cabo Daciolo (PTdoB-RJ) recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir que seja determinada a abertura de mais um pedido de impeachment contra o vice-presidente da República, Michel Temer, e o apensamento da denúncia contra o peemedebista ao processo que tem como alvo a presidente Dilma Rousseff.

Nesta terça-feira, 5, o ministro Marco Aurélio Mello determinou que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), dê prosseguimento a um pedido de impeachment contra Temer e determine a abertura de uma comissão especial para analisar o caso.

A decisão atendeu a pedido do advogado Mariel Márley Marra, que pedia o desarquivamento da denúncia oferecida por ele contra o vice-presidente da República pela edição de quatro decretos que autorizavam a abertura de crédito suplementar sem aval do Congresso e em desacordo com a meta fiscal vigente.

O caso foi revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo em dezembro e é um dos crimes apontados na denúncia em discussão contra Dilma.

Já o deputado Cabo Daciolo recorreu ao STF para garantir não só o desarquivamento do seu pedido de impeachment contra Temer - que abrange, além dos decretos também as pedaladas fiscais -, como a juntada no procedimento contra Dilma. Em dezembro, Cunha arquivou o pedido de impeachment contra o vice-presidente da República apresentado por Daciolo.

O deputado argumenta ao STF que há "conexão de matérias" e acervo de provas comum entre os casos de Dilma e Temer. "É inequívoca, portanto a responsabilidade do Vice-Presidente da República, que não pode ser dissociada da apuração de responsabilidade da Presidente da República", escreveu o parlamentar.

Daciolo argumenta que Temer "se omitiu do dever legal de fiscalização dos atos governamentais" no caso das pedaladas fiscais - atraso nos repasses do Tesouro aos bancos públicos. Com relação à assinatura dos decretos, o parlamentar afirma que a conduta foi ativa por parte de Temer.

"Ambos (Dilma e Temer) tinham ciência da situação deficitária das contas públicas, se beneficiaram com a expedição de decretos sem número sem a autorização do Congresso Nacional falseando, para tanto, um superávit inexistente, conduta que acabou sendo confessada em virtude da apresentação de projeto de lei tendente a alteração da meta fiscal", escreveu o parlamentar ao STF.

Na peça, ele argumenta que foi "injustificada" a decisão de Cunha de arquivar o pedido de impeachment. O pedido do deputado foi distribuído ao ministro Celso de Mello, decano do Supremo.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo