Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Jucá defende sabatina de Moraes na quarta; senadores de oposição são contrários

O líder do governo no Congresso, Romero Jucá (PMDB-RR), defende que a sabatina de Alexandre de Moraes para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) aconteça já nesta quarta-feira, 15. O prazo para vista do relatório está em discussão na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A oposição reagiu e criticou a tentativa de antecipação.

"Entendo que os cinco dias já estão vencidos e pode ser dada vista de um ou dois dias. Entendo que deveria ser de apenas 24 horas, porque queremos o pleno do Supremo completo", afirmou Jucá, que considera que o prazo de cinco dias úteis para sabatina começa a ser contado a partir da leitura da indicação no plenário do Senado, que aconteceu na última quarta-feira, dia 8.

O posicionamento é questionado pela oposição. O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) defende que haja mais tempo para a sociedade estudar o relatório e apresentar perguntas ao candidato à ministro. "Que imagem os senadores vão passar ao querer votar isso apressadamente? Adiantar a sabatina é escândalo, é gravíssimo, não vamos aceitar!", afirmou.

A líder do PT no Senado, Gleisi Hoffmann (PR) também criticou a tentativa de antecipar a sabatina. De acordo com ela, o caso que senadores da base aliada usam como referência para antecipar a sabatina de Moraes teria acontecido na Comissão de Assuntes Econômicos (CAE) no ano passado. O episódio, entretanto, continua controverso. Ainda não foi resolvido e tem recurso em aberto na Mesa do Senado.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) defendeu que a antecipação já aconteceu, mas apenas uma vez, e não que não se trata de uma questão reiterada.

O líder da oposição, Humberto Costa (PT-PE), argumentou que a indicação de Moraes é polêmica, especialmente pela relação política que ele tem com alguns parlamentares e com o PSDB, partido ao qual era filiado até a última semana. Ele deu como exemplo a sabatina informal da qual o ministro participou há alguns dias com parlamentares da base no barco do senador Wilder Morais (PP-GO). "Essa sabatina informal precisa ser esclarecida", afirmou.

O senador Armando Monteiro (PTB-PE) criticou a atuação da base do governo para adiantar a sabatina. Para ele, a governo tem outras questões mais urgentes a serem resolvidas, como a escolha de um novo ministro da Justiça, cargo que fica vago com a indicação de Moraes para o STF.

Único senador da base a questionar a antecipação da sabatina foi o gaúcho Lasier Martins (PSD-RS), que defendeu que uma decisão particular em outra comissão não deveria valer de precedente para todo o Senado. "Não podemos começar mal, temos que respeitar o regimento. Não podemos rasgá-lo", disse.

Relatório

O parecer favorável à indicação de Alexandre de Moraes para o STF foi lido na manhã desta terça-feira, 14, na CCJ pelo senador Eduardo Braga. Ele defendeu que o indicado mostra ter experiência profissional, formação e afinidade intelectual e moral. Ele também pontuou que os três processos em que Moraes figurou como réu já foram extintos.

A sessão desta manhã está sendo conduzida pelo vice-presidente do colegiado, o tucano Antonio Anastasia (PSDB-MG). O presidente da CCJ, Edison Lobão (PMDB-MA), que é investigado na Lava Jato, não está presente. Anastasia tem um bom trânsito com os demais senadores e foi muito elogiado, inclusive pela oposição, como relator do processo de impeachment.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo