Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Justiça condena mandante da morte de casal de extrativistas no Pará

MARTHA ALVES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Justiça do Pará condenou nesta terça-feira (6) o agricultor José Rodrigues Moreira a 60 anos de prisão pela co-autoria na morte do casal de extrativistas e militantes ambientais José Claudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva. O julgamento ocorreu sem a presença do réu, que está foragido.

O casal de militantes ambientais foi morto em 24 de maio 2011 no assentamento Praialta Piranheira, na cidade de Nova Ipuxina (511 km de Belém). Eles foram mortos a tiros quando passavam de moto por uma ponte na estrada de terra que dá acesso ao assentamento. Segundo a polícia, dois homens aguardavam no meio da mata.

O inquérito policial apontou Moreira como mandante das mortes. Em 2010, ele comprou duas áreas com total de 790 mil metros quadrados no assentamento, o que é ilegal.

Segundo a polícia, o ambientalista dizia que as terras eram públicas e incentivava que famílias de agricultores se instalassem nas terras de Rodrigues.

Antes de ser morto, o ambientalista afirmou à CPT (Comissão Pastoral da Terra) que Moreira incendiou as casas de dois agricultores, sob a alegação de que ele era dono das terras.

No primeiro julgamento, realizado em Marabá em abril de 2013, o agricultor foi absolvido da acusação. Outros dois acusados do crime foram condenados no mesmo julgamento. Irmão de Moreira, Lindonjonson Rocha recebeu pena de 42 anos e oito meses de prisão, e Alberto Lopes do Nascimento, de 45 anos.

Nesta terça, Moreira foi considerado co-autor do crime de duplo homicídio qualificado do casal, após oito horas de julgamento no 2º Tribunal do Júri de Belém. A pena aplicada ao réu é de 30 anos em relação a cada vítima, totalizando 60 anos de prisão.

Agricultores de Nova Ipixuna lotaram o tribunal do júri para acompanhar o julgamento. Outro grupo formado por integrantes de movimentos sociais com faixas e cartazes lembrando outras vítimas de crimes por disputa de terra ocuparam uma praça em frente ao fórum.

Os advogados de defesa de Moreira disseram que vão recorrer da sentença.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo