Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Maia ouve críticas da oposição em café da manhã com líderes de oposição

Em café da manhã com os líderes da oposição, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ouviu críticas do grupo de deputados nesta terça-feira, 25. Os oposicionistas reclamaram que Maia age como líder do governo e não como presidente da instituição em algumas situações e disseram que, para beneficiar o governo, a oposição é "atropelada" nas votações.

O encontro foi marcado por Maia para definir os procedimentos que serão adotados na Comissão Especial da Reforma Política, que será instalada nesta terça-feira à tarde. Maia não só ouviu as opiniões do PCdoB, PT, PDT, Rede e PSOL sobre o tema, como as reivindicações do grupo formado após o impeachment de Dilma Rousseff (PT).

Citando como exemplo a inclusão inesperada de uma medida provisória na pauta de votações na segunda-feira, 24, os líderes partidários enfatizaram que Maia não pode fazer as vezes de líder do governo. "Ele está errado", apontou o líder do PT, Afonso Florence (BA). Maia rebateu a acusação, mas se comprometeu em melhorar. Os oposicionistas ressaltaram que não aceitarão uma reforma política "à toque de caixa".

Os líderes também cobraram o retorno das reuniões formais de colégio de líderes, reclamação comum também entre alguns governistas. Maia disse considerar as reuniões separadas de governistas e oposicionistas mais produtivas, mas informou que retomará os encontros.

Com a oposição, o presidente da Câmara marcou uma nova reunião para o dia 8 de novembro para discutir sugestões de pauta e assuntos em comum. "Acho muito importante conversar. Foi um gesto de diálogo", elogiou o líder da Rede, Alessandro Molon (RJ).

Reforma da Previdência

Embora aliados de Maia falem abertamente em buscar soluções para que ele possa se reeleger ao cargo, a sucessão na Câmara não foi discutida no encontro desta terça. Na conversa, Maia mostrou foco na votação da reforma política e admitiu que não conseguirá aprovar a Reforma da Previdência este ano porque não haverá tempo hábil para aprová-la. A medida teria de passar antes por uma comissão especial antes de ser apreciada pelos deputados no plenário. "Não vai ao plenário este ano", resumiu o líder do PSOL, Ivan Valente (SP).

Para o líder do PT, Maia admitiu a impossibilidade de votar a Reforma da Previdência nos próximos meses por constatar que a oposição usaria recursos de obstrução eficazes para inviabilizar sua aprovação este ano. "Ele só está constatando a dificuldade", comentou Florence.