Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

MP denuncia ex-delegado por sequestro e tortura de líder camponês na ditadura


O Ministério Público Federal em São Paulo denunciou o delegado aposentado Alcides Singillo pelo sequestro e tortura de um líder camponês durante a ditadura militar. Em 28 de outubro de 1975, Manoel Conceição Santos foi detido e levado para o Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo (Deops/SP), onde Singillo atuava.

"O delegado tinha pleno conhecimento da ilegalidade da prisão, participou das crueldades a que a vítima foi submetida e ocultou de autoridades e familiares o fato de Manoel estar sob sua custódia", diz o Ministério Público Federal em informação publicada em seu site nesta sexta-feira, 12.

O líder camponês ficou preso no Deops/SP durante 48 dias. Nesse período, "sofreu agressões de diversos tipos, como socos, choques elétricos e humilhações. Manoel foi uma das vítimas do ataque sistemático e generalizado empreendido pelo regime militar contra a população civil", diz o Ministério Público Federal.

Manoel já havia sido preso diversas vezes após o golpe de 1964 por sua ligação com o Sindicato dos Lavradores de Pindaré-Mirim (MA) e o Movimento de Educação de Bases da cidade. "Devido ao contexto de repressão, os crimes cometidos contra o líder são considerados de lesa-humanidade e, portanto, imprescritíveis e impassíveis de anistia."

Segundo a Procuradoria da República, advogados e parentes buscavam por Manoel desde a data em que foi detido pelos agentes do Deops/SP, mas somente conseguiram a confirmação de seu paradeiro em 18 de novembro de 1975. "Apesar de o prazo de incomunicabilidade vigente à época ser de até 10 dias após a detenção, a defesa pôde visitá-lo apenas em 5 de dezembro", diz o MP.

O líder camponês foi solto no dia 11 de dezembro de 1975, após um telegrama do Papa Paulo VI ao presidente Ernesto Geisel "conclamando a libertação da vítima".

Além de Alcides Singillo, outros agentes participaram da prisão, da tortura e da ocultação do paradeiro de Manoel Conceição Santos, entre eles os delegados Sérgio Paranhos Fleury e Romeu Tuma, já falecidos, afirma o Ministério Público Federal.

"A privação da liberdade da vítima nas dependências do Deops/SP foi ilegal porque nem mesmo na ordem jurídica vigente na data de início da conduta delitiva agentes de Estado estavam legalmente autorizados a deter pessoas sem qualquer registro, impingi-las a maus tratos e ainda mantê-las incomunicáveis por tão longo período de tempo, mormente sem qualquer espécie de acusação formal", afirmam os procuradores da República Ana Letícia Absy e Anderson Vagner Góis dos Santos, autores da denúncia.

Além das sanções previstas para os crimes de sequestro e cárcere privado, os procuradores pedem que a Justiça Federal condene Singillo ao cancelamento de sua aposentadoria, bem como à perda de eventuais medalhas e condecorações que tenha recebido.

Os procuradores indicam ainda circunstâncias agravantes "que devem ser consideradas no momento da definição da pena, entre elas o emprego de tortura e o abuso de autoridade".

Defesa

O criminalista Paulo Alves Esteves, que defende Alcides Singillo, declarou que a denúncia contra o delegado segue a linha de outras quatro denúncias anteriormente apresentadas pelo Ministério Público Federal contra agentes do regime militar e que acabaram rejeitadas.

O advogado também defendia o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, já morto, que foi alvo de uma sequência de acusações da Procuradoria da República. "A questão central é a aplicação da Lei da Anistia", assinala Paulo Esteves. "A primeira denúncia nesse sentido que foi rejeitada pela Justiça tinha como acusado o coronel Ustra. Na ocasião, ingressamos com uma Reclamação no Supremo Tribunal Federal que mandou suspender a ação. A Lei da Anistia abrangeu tudo isso", afirmou.

Paulo Esteves assinalou, ainda, que o delegado Alcides Singillo "não torturou (o camponês Manoel Conceição Santos), nem prendeu ninguém ilegalmente".

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo