Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

MPF classifica decisão de Marco Aurélio como catastrófica

(Foto: João Frigério/ Plantão 190)  - MPF classifica decisão de Marco Aurélio como catastrófica
(Foto: João Frigério/ Plantão 190)

Procuradores do Ministério Público Federal (MPF), responsáveis pela Operação Lava Jato, falaram sobre a liminar do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que pode abrir caminho para a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O assunto foi debatido em coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira (19).

A liminar foi expedida hoje (19) e deve ser julgada pelo presidente do STF, Dias Toffoli, que responde pelo plantão do tribunal. Nela, Marco Aurélio suspende a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, como é o caso do ex-presidente, que ainda não teve os recursos esgotados.

De acordo com o procurador Deltan Dallagnol, o MPF reitera sua confiança de que o STF irá reverter a decisão da liminar em tempo hábil e “restabelecer a segurança jurídica das suas decisões”.

Os procuradores também reforçaram que a medida, se acatada, teria impacto em diversos presos por todo o Brasil, com um efeito especial para os casos de corrupção e crimes de colarinho branco. O MPF chegou a classificar a decisão como catastrófica e informou que, além de Lula, muitos detentos podem voltar às ruas, entre eles réus perigosos, já que todas as pessoas que estejam com recursos em andamento em tribunais superiores ganhariam liberdade.