Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Oposição consegue assinaturas para CPIs do Maracanã e incentivos na Alerj

No dia da prisão do ex-governador do Rio Sergio Cabral, deputados de oposição ao governo Luiz Fernando Pezão (PMDB) conseguiram o número mínimo de assinaturas para a instalação de duas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs), para investigar as obras de remodelação do Estádio do Maracanã para a Copa do Mundo e fazer uma auditoria dos incentivos fiscais concedidos nos últimos anos. Pezão foi vice-governador de Cabral.

O pedido de CPI sobre os incentivos fiscais foi feito pela bancada de cinco deputados do PSOL. Para o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), candidato derrotado em segundo turno nas eleições para a Prefeitura do Rio, a prisão de Cabral cria constrangimentos para os deputados, inclusive para os que integram a base do governo.

O pedido de CPI do PSOL teve assinaturas de deputados de partidos como PRB, PR e Solidariedade, que eventualmente votam com o governo.

Já o pedido de CPI sobre o obra do Maracanã foi feito pela deputada Zeidan, líder do PT na Alerj. A deputada disse a jornalistas que, desde maio, vem pedindo a instalação de uma CPI para apurar denúncias de pagamento de propina nas obras do Maracanã, mas não conseguia o número de assinaturas. "Hoje, a prisão de Sergio Cabral levou alguns deputados a assinarem", disse a deputada. O caso do Maracanã é um dos investigados pela Operação Lava Jato que sustentaram o pedido de prisão do ex-governador.

Mais cedo, Freixo disse que a forma como o governo fluminense concedeu incentivos fiscais está na raiz tanto das denúncias de corrupção que levaram à prisão de Cabral quanto à crise fiscal do Estado do Rio.