Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Palocci atuou por estaleiro da Odebrecht, diz MPF

O ex-ministro Antonio Palocci, é acusado pelo Ministério Público Federal de atuar de forma "ilícita" para beneficiar o Grupo Odebrecht na contratação pela Petrobrás de estaleiros nacionais. Esses estaleiros atuam na construção de plataformas e navios-sonda para exploração de petróleo dos campos do pré-sal - negócio de mais de US$ 21 bilhões, que envolveu a criação da empresa Sete Brasil.

A informação consta em denúncia contra o petista que deve ser analisada nesta semana pelo juiz federal Sérgio Moro, que conduz a Operação Lava Jato na 1.ª instância, em Curitiba.

Em depoimento prestado à Lava Jato em outubro, o senador cassado Delcídio Amaral (sem partido-MS) afirmou que Palocci participou, mesmo fora do governo, da formação da Sete Brasil, em 2011. A empresa, responsável pela contratação de estaleiros para fornecimentos de 28 plataformas e sondas para a Petrobrás, é uma sociedade da Petrobrás com os bancos BTG Pactual, Bradesco e Santander, os fundos de pensão federais Petros e Previ e o fundo de pensão da Vale do Rio Doce.

"O modelo de cobrança de propina que já existia na Petrobrás foi levado também à Sete Brasil", afirmou Delcídio, que virou delator da Lava Jato após ser preso em novembro de 2015 por tentar comprar o silêncio do ex-diretor da estatal Nestor Cerveró. "Palocci participou de toda estruturação econômica da Sete Brasil", afirmou. Delcídio disse ainda que Palocci atuou na "engenharia financeira" da Sete Brasil e na "consolidação dos grupos empresariais" que foram contratados.

Preso desde 26 de setembro, o ex-ministro foi acusado formalmente por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, apontado como "ponte" entre a Odebrecht e o governo federal.

'Interferência'. Segundo a denúncia, em 2011, quando soube que o estaleiro controlado pelo seu consórcio havia sido derrotado em processo licitatório, Marcelo Odebrecht, presidente afastado do grupo, enviou um e-mail ao assessor de Palocci pedindo um encontro com o ex-ministro. "Aquele assunto do Petróleo não está indo bem", escreveu Odebrecht. Para os procuradores, "era nítido no e-mail: instar Antonio Palocci para que interferisse nas decisões a serem adotadas pela alta administração do governo federal, a fim de resolver questões de interesse da Odebrecht relativas a contratos com a Petrobrás".

A Sete Brasil diz que "colabora com as investigações". O advogado de Palocci, José Roberto Batochio, afirma que as acusações contidas na denúncia "são uma peça de ficção." / As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.