Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Para governo, melhor 'aliado forte que fraco'

O ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, avalia que a ampla vantagem dos partidos que compõem a base aliada de Michel Temer nas eleições municipais representa um apoio popular "às medidas que estão sendo tomadas". Para ele, pior seria se a oposição conquistasse vitórias expressivas nas urnas.

"Eu gosto de aliado forte, não gosto de aliado fraco, pior seria se a oposição estivesse ganhando", afirmou o ministro.

Em entrevista ao Estado, Geddel minimizou uma possível "romaria" de prefeitos aliados a Brasília após o fim das disputas eleitorais. Responsável pela articulação política e relações institucionais do Executivo, o ministro desconversa sobre as possíveis pressões por verbas e cargos pelos partidos aliados em um momento de crise e dificuldades para o governo.

Medidas impopulares

Embora Temer tenha ficado ausente das campanhas e a associação ao governo foi evitada por diversos candidatos da base governista, Geddel avalia que uma vitória expressiva de aliados na votação de hoje no segundo turno vai deixar claro que o governo tem a aprovação das urnas para medidas consideradas impopulares, como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 241) que estabelece limite para os gastos públicos.

"Claro que é positivo, pois mostra o grau de apoio que tem o governo à frente das medidas que estão sendo tomadas", disse ele, que viajou para a Bahia para participar de campanhas de candidatos do PMDB no Estado.

"Muitos diziam que eram medidas desgastantes, mas a sociedade está aprovando, dizendo que é isso que quer", afirmou. Segundo Geddel, prova disso é que a aprovação da PEC na Câmara não teve impacto nas pesquisas de intenção de votos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.