Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Prefeita de Ribeirão é transferida para Tremembé; defesa vai ao STJ

MARCELO TOLEDO

RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - A prefeita de Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo), Dárcy Vera (PSD), presa na última sexta-feira (2) após ser denunciada por corrupção passiva, peculato e associação criminosa, foi transferida para a penitenciária feminina de Tremembé.

A transferência ocorreu na noite desta terça-feira (6). No dia em que foi presa em sua casa, a prefeita já tinha deixado a cidade e foi encaminhada à superintendência da PF (Polícia Federal) na capital.

Dárcy foi presa na segunda fase da operação Sevandija, do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), que apontou a existência de um esquema de corrupção sistêmica na prefeitura.

A investigação apontou o pagamento ilegal de honorários à advogada Maria Zuely Alves Librandi, ex-defensora do Sindicato dos Servidores, a partir de documentos apresentados em delação premiada do ex-presidente do sindicato Wagner Rodrigues, que foi candidato à prefeitura pelo PC do B.

A origem da suspeita está num acordo judicial firmado na década passada que resultou no parcelamento de R$ 800 milhões a serem pagos a servidores devido a perdas decorrentes do Plano Collor. Já foram pagos mais de R$ 300 milhões, além de R$ 45 milhões em honorários –que, para a Promotoria, são indevidos.

Os honorários foram incluídos num aditivo do contrato, firmado em 2012 e que contou com fraudes em atas e assembleias do sindicato. Dárcy receberia, no total, R$ 7 milhões, segundo a Promotoria.

A defesa da prefeita recorreu nesta quarta-feira (7) ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), com um pedido de habeas corpus para Dárcy.

Sua advogada, Maria Cláudia Seixas, afirma que a prefeita é inocente e conseguirá provar isso.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo