Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Propina bancou passeios da família Cabral em Dubai e Londres, diz Procuradoria

Na nova denúncia apresentada na terça-feira, 14, contra o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), sua mulher Adriana Ancelmo e outras nove pessoas, a força-tarefa da Lava Jato no Rio aponta que viagens de helicóptero do peemedebista e seus familiares, e até viagens de avião dele com sua mulher para Dubai e Londres, em 2014, foram pagas com dinheiro de propina. Foram identificados ao menos 21 voos de helicóptero entre 1º de janeiro e 22 de fevereiro de 2015, no valor de R$ 187,1 mil.

Dentre os destinos, aparecem o município de Mangaratiba, onde o peemedebista tem uma mansão, e até o Palácio da Guanabara, sede do governo fluminense, atualmente sob a gestão de Luiz Fernando Pezão (PMDB) que foi secretário de Estado na gestão Cabral.

Também foram identificados pela Procuradoria da República ao menos 12 passagens de avião, incluindo ida e volta, adquiridas em nome Adriana Ancelmo, Sérgio Cabral e outros familiares para destinos como Londres e Dubai. Segundo a documentação encaminhada ao MPF, o casal adquiriu passagens para viajar para Londres entre agosto e setembro de 2014. Posteriormente, foram adquiridas passagens para Dubai, nos Emirados Árabes, entre 8 e 17 de outubro de 2014, durante as eleições presidenciais.

Neste período, segundo os registros, consta a reserva no hotel de luxo Atlantis The Palm em nome de Adriana Ancelmo.

A procuradoria chegou aos valores a partir da planilha entregue pelos irmãos Marcelo e Renato Chebar, operadores de contas no exterior de Sérgio Cabral e que fizeram delação premiada. Além de cuidar dos recursos do peemedebista em contas secretas, eles também admitiram que faziam entregas de dinheiro em espécie para o grupo de Cabral. Uma das planilhas dos irmãos indica a movimentação no Brasil de R$ 1.066.813,20 entre 7 de agosto de 2014 e 1 de junho de 2015 para um destinatário identificado como "Pierre".

Aos investigadores, Pierre Cantelmo Areas confirmou ter prestado, de 2004 a 2015, três tipos de serviços para Sérgio Cabral e seus familiares: i) fretamento de voos de helicóptero; ii) emissão de passagens aéreas junto a empresas de aviação comercial para voos nacionais e internacionais e; iii) serviços de embarque e desembarque. Ele ainda entregou uma relação de e-mails e das planilhas com as viagens de helicóptero e de avião da família Cabral.

"A utilização desses serviços, no entanto, era uma forma de lavar os recursos ilícitos auferidos pelo grupo criminoso, tendo em vista que, segundo Pierre, a forma de pagamento que Sérgio Cabral utilizava em remuneração aos serviços prestados era a entrega de dinheiro em espécie ou depósito de dinheiro em contas do depoente", diz a denúncia assinada por nove procuradores da República da força-tarefa do Rio.

Os investigadores apontam ainda que a acusação apresentada "não versa sobre todas as despesas pessoais de Sérgio Cabral e seus familiares, pois ainda estão sendo identificados todas as pessoas que movimentaram ou foram destinatárias dos recursos ilícitos da organização criminosa".

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo