Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

São Paulo segue Santa Catarina e entra no STF para redução da dívida com a União

A Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo (PGE) entrou com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando o coeficiente de atualização monetária da divida do governo paulista com a União e, paralelamente, a questão do juro, levantada pelo Estado de Santa Catarina.

Na prática, a ação apresentada pede à Suprema Corte mudança na estrutura do juro aplicada sobre o principal da divida, de juro composto para juro simples. O mandado será analisado pelo ministro do STF Celso de Mello. Segundo a PGE, São Paulo está seguindo o curso natural de um Estado requerer o mesmo benefício conseguido por outro Estado.

O órgão se refere à liminar concedida pelo Supremo em favor de Santa Catarina, alterando a forma de cálculo dos juros sobre sua dívida com o Tesouro Nacional e impedindo punições por pagamentos em valores menores que os exigidos pelo governo federal. A tendência, segundo uma fonte ligada ao governo de São Paulo, é a de que todos os Estados acabem levando ao STF a questão do juro.

Essa tem sido uma preocupação do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, que tem feito uma via-sacra ao STF para explicar aos ministros o prejuízo que a União terá se a Corte abrir jurisprudência, autorizando aos demais Estados que a ele recorrerem o mesmo benefício dado a Santa Catarina. Barbosa fala em perda da ordem de R$ 313 bilhões. Só São Paulo teria um abatimento na sua dívida da ordem de R$ 138 bilhões.

Entre as contrapartidas, estão a proibição da concessão de novos aumentos salariais para servidores estaduais, o impedimento à concessão de novos benefícios fiscais para empresas e a limitação do crescimento das despesas à variação da inflação, além de reduzir em 10% as despesas mensais com cargos de confiança em relação a 2014. Em suma, seria uma implementação de uma Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) estadual.

Na sexta-feira passada, Barbosa conversou com o presidente da casa, ministro Ricardo Lewandowski; na quarta-feira, se reuniu com o ministro Luiz Edson Fachin; e nesta sexta-feira, 15, com a ministra Carmen Lúcia. Barbosa, segundo informações, pretende se encontrar com todos os 11 membros da Suprema Corte.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo