Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

'Tenho um lado, nunca estive em cima do muro', diz Marcelo Castro

Alvo de críticas de parte da bancada do PMDB, ligada ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o deputado Marcelo Castro (PMDB-PI), ministro da Saúde licenciado, afirmou nesta quarta-feira, 17, que tem o direito participar da eleição do novo líder e que não teme manifestações contrárias à sua participação.

O ministro conversou com o jornal O Estado de S. Paulo pouco antes do início da reunião em que integrantes do PMDB da Câmara vão escolher quem irá comandar a bancada neste ano. O encontro está previsto para iniciar às 15 horas. A briga está entre o atual líder, Leonardo Picciani (RJ), ligado ao Palácio do Planalto, e o deputado Hugo Motta (PB), que integra o grupo de Eduardo Cunha, responsável por dar início ao processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Indicado por Picciani para o ministério, Marcelo Castro foi exonerado do cargo temporariamente para participar da votação.

"Tem uma decisão da bancada hoje (17) e acho que tenho que participar. Tenho um lado, nunca estive em cima do muro. Por isso, vou exercer o meu direito de parlamentar", disse Castro.

O deputado preferiu não comentar, contudo, se permanecerá no cargo caso ocorra uma vitória de Hugo Motta, que representar a ala do partido opositora ao Palácio do Planalto. "Não sou eu a pessoa adequada para responder essa pergunta."

Castro ressaltou, porém, que não teme manifestações previstas para serem realizadas hoje durante a reunião da bancada. Integrantes do partido Solidariedade prometem receber o ministro com mosquitos de papel representando o Aedes aegypti. "Não tenho nenhum receio. Toda manifestação que chame a atenção para o mosquito é boa. É isso que estamos fazendo o tempo todo, chamando a atenção para o combate ao mosquito", disse.

Exonerado do cargo, o deputado diz que passou a manhã em sua residência em Brasília realizando ligações para lideranças partidárias e prefeitos do seu Estado. Antes de ir para a Câmara participar da votação da bancada deve almoçar com alguns deputados da legenda. No final do dia, às 18 horas, está previsto um encontro com a presidente Dilma, novamente como ministro.