Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

'Ter entre 6% e 12% é um bom começo', diz Alckmin sobre pesquisa

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou nesta terça-feira, 5, que considera "um bom começo" os números de intenção de voto que sua candidatura ostenta nesse momento da corrida eleitoral.

"Você, sem ser candidato, ter entre 6% e 12%, dependendo do cenário, é um bom começo", afirmou o tucano em relação à pesquisa Datafolha divulgada no final de semana. O governador argumentou ainda que os resultados das pesquisas neste momento, que colocam o ex-presidente Lula e o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) à frente, refletem apenas um "recall" de votação e que não têm significado político no momento. "Os argumentos da eleição serão lá na frente e a população vai ser muito exigente. As grandes mudanças são no final da campanha, o povo reflete e aí sim tem a definição de voto. Tudo tem seu momento".

O PSDB realiza neste final de semana a convenção nacional do partido, que deve eleger Alckmin como presidente da legenda. Existe uma expectativa de que o governador também seja lançado como candidato do PSDB ao Planalto, mas isto depende de outras candidaturas, como a do prefeito de Manaus, Arthur Virgílio. Questionado sobre a possibilidade de realização de prévias, ele não mostrou resistência. "Prévia não divide, prévia escolhe", resumiu.

Doria

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), que participou de evento de entrega de moradias populares na zona sul da capital paulista junto com o governador Geraldo Alckmin, afirmou que o aumento da desaprovação à sua gestão, revelada pela pesquisa Datafolha, mostra que será necessário trabalhar mais pela cidade. Ele culpou o orçamento herdado do governo anterior pela falta de ações de zeladoria na cidade, um dos pontos mais negativos citados pelo entrevistados.

"É sempre bom respeitar a opinião pública", disse Doria. "Vamos trabalhar mais, focar mais", complementou, acrescentando que a mesma pesquisa coloca o índice de aprovação em 60%, se somadas as avaliações de ótimo, bom e regular.

Segundo a pesquisa divulgada pelo instituto Datafolha, Doria chegou a 39% de reprovação entre os paulistanos, o mesmo índice da gestão de Fernando Haddad (PT) em 2013, seu primeiro ano de governo. O prefeito classificou como "normal" este número e lembrou que, apesar dele, a porcentagem de pessoas que avaliaram sua gestão como ótima ou boa é mais que o dobro das que avaliaram a gestão petista na mesma época de seu governo (29% a 18%).

O tucano ainda rebateu que a queda em sua aprovação possa ser resultado de seus esforços para se viabilizar como candidato à presidência, dizendo que "nunca manifestou essa disposição". "Temos que melhorar o desempenho da zeladoria", indicou entre outros fatores, acrescentando que o orçamento deste ano foi herdado e que no ano que vem, com uma previsão "realista", vai poder atender os anseios da população.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo