Vereador da Grande Curitiba é acusado de rachadinha

O vereador Roberto Leal (Progressistas), de Campo Magro, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), foi acusado de um possível esquema de rachadinha. O caso tumultuou a sessão na Câmara de Vereadores na noite de terça-feira (14) (veja vídeo abaixo). 

vereador-rachadinha-campo-magro
Foto: Reprodução/Rede Massa

A denúncia contra o vereador foi feita por uma ex-funcionária, nomeada assessora de gabinete, em 2017. No entanto, o processo corria em sigilo desde 2019. 

De acordo com a denúncia, a assessora era obrigada a repassar até R$ 1.500 por mês do próprio salário para o vereador. 

“Ele fez na calculadora certinho tudo o que eu tinha que passar”,

disse a assessora.

Logo após o processo perder o sigilo, o prefeito de Campo Magro pediu a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o vereador pelos crimes de rachadinha, lavagem de dinheiro, associação criminosa e ameaça a funcionário público. 

Vereador teria movimentado mais de R$ 400 mil, diz denúncia

Além disso, a Polícia Civil pediu a quebra do sigilo bancário do vereador Roberto Leal. O Primeiro Impacto PR, da Rede Massa | SBT, apurou que no período da denúncia o político movimentou mais de R$ 400 mil na conta, sendo que seu salário é de aproximadamente R$ 5 mil.

Veja também:

Na sessão plenária da última terça-feira (14), os vereadores votaram o pedido de abertura da CPI. No entanto, o regimento interno impede a ação, já que existem outras duas comissões parlamentares de inquérito em andamento. 

Vereador diz ser vítima de ‘perseguição política’

Em nota enviada ao portal Massa News, o vereador Roberto Leal alega que é vítima de “severa perseguição política” que estaria ligada à recente mudança de partido.

Ele lembra que, em 2019, uma Comissão Especial da Câmara arquivou a denúncia de rachadinha por falta de provas e acusa o prefeito Cláudio Cezar Casagrande de persegui-lo. “Após deixar a base governista do prefeito e migrar para outro partido, o prefeito reapresentou na Câmara a mesma denúncia, já arquivada anteriormente”, alega.

“Não cometi nenhum crime. Enfrento essa perseguição de cabeça erguida, confiante de que os colegas vereadores conduzirão o processo de maneira justa e que o Ministério Público distinguirá entre aqueles que trabalham corretamente e os que não”

vereador Roberto Leal.

O vereador acusado de rachadinha também lembra que o MPPR abriu um inquérito civil e uma Ação de Apuração de Ato de Improbidade Administrativa. “Estou me defendendo nesta ação, que está na fase de produção de provas, conforme o princípio constitucional da presunção de inocência”, explica.

Vídeo: debate sobre rachadinha acaba em confusão na Câmara

Entre no grupo do Massa News
e receba as principais noticias
direto no seu WhatsApp!
ENTRAR NO GRUPO
Compartilhe essa matéria nas redes sociais
Ative as notificações e fique por dentro das notícias
Ativar notificações
Dá o play plus-circle Created with Sketch Beta. Assista aos principais vídeos de hoje
Colunistas plus-circle Created with Sketch Beta. A opinião em forma de notícia
Alorino
Antônio Carlos
Claudia Silvano
Edvaldo Corrêa
Fabiano Tavares
Gabriel Pianaro
chevron-up Created with Sketch Beta.