Portos paranaenses registram aumento no transporte ferroviário em 2022

A participação do modal ferroviário no transporte de cargas pelos portos do Paraná subiu de 19,6%, em 2021, para 20,2% em 2022, quase um ponto percentual. Considerando os nove primeiros meses do ano, foram 9.022.935 toneladas de produtos que chegaram ou saíram em vagões. No mesmo período do ano passado, 8.752.258 toneladas.

“Pode até parecer um aumento pequeno, mas quando falamos em participação do modal ferroviário qualquer ponto porcentual de aumento é significativo, principalmente se considerarmos que a estrutura ferroviária é a mesma, o que vai mudar com os projetos que estamos implementando”, disse o diretor de Operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior.

Enquanto subiu o uso da ferrovia, o volume de carga pelo modal rodoviário registrou pequena diminuição, de 77,9% de janeiro a setembro de 2021 para 77,1% neste ano. Foram 34.383.334 toneladas movimentadas em caminhões em 2022; no ano passado, foram 34.641.812 toneladas.

Na especificação de carga, houve crescimento no volume do granel líquido movimentado pelo Porto de Paranaguá. Em 2021, nos nove meses, 1.091.957 toneladas (31%) chegaram por esta via. Neste ano, 1.186.501 toneladas (33,15%). Entre eles, apenas os derivados de petróleo também utilizam a ferrovia. Das 3.579.189 toneladas totais movimentadas dos produtos neste ano, 420.852 toneladas (11,76%) chegaram ou saíram em vagões. As outras 1.971.836 toneladas foram por rodovias (55,09%).

“A participação do modal ferroviário aumentou significativamente no transporte dos derivados de petróleo”, destaca Teixeira. Em 2021, apenas 7% das 3.475.986 toneladas foram movimentadas em vagões, ou seja, 231.582 toneladas. O restante, 62%, pelo modal rodoviário: 2.152.447 toneladas.

Os produtos que mais utilizam a ferrovia para chegarem ou saírem dos portos paranaenses foram açúcar (80,4% em vagões); milho (35,39%); soja (20,86%); farelo de soja (20,09%); contêineres (14,03%); e os derivados de petróleo (11,76%).

“Os números desses três primeiros trimestres do ano comprovam que têm dado resultado os nossos esforços em equalizar a participação dos modais, principalmente aumentando o uso do transporte ferroviário”, afirma o diretor de Operações.

Segundo ele, com o avanço de projetos como o do “Moegão” (Cais Leste), de descarga ferroviária centralizada, a tendência é que aumente ainda mais, com melhores resultados. “O foco do projeto é o segmento dos granéis sólidos de exportação e a ferrovia. Porém, com o que estamos propondo, os resultados serão benéficos a todos os demais segmentos e também ao transporte rodoviário e à comunidade”, completa Teixeira, se referindo, principalmente, à redução das interferências rodo/ferroviárias.

Com capacidade para receber até 180 vagões simultaneamente, a expectativa é que o Moegão permita a descarga de mais 24 milhões de toneladas de grãos e farelos, por ano.

Tabela de participação do modal ferroviário:

Fonte: AEN