UEL propõe estudos de eficiência energética na Terra Indígena Apucaraninha

Estudantes, professores e pesquisadores de várias áreas da Universidade Estadual de Londrina (UEL) participam de oficinas formativas do projeto de extensão que trata da relação do povo habitante da terra indígena Apucaraninha com o território e a energia elétrica.

A iniciativa tem o objetivo de identificar hábitos de uso de equipamentos eletroeletrônicos e orientar medidas de eficiência energética aos cerca de 2 mil indígenas da reserva.

A proposta é fazer um diagnóstico energético no local, onde existem aproximadamente 400 unidades consumidoras, distribuídas em cerca de 80 hectares. A Terra Indígena é formada pelas aldeias Sede, Água Branca, Serrinha e Barreiro.

As oficinas começaram em outubro, sempre na Sala de Teleconferências do Centro de Tecnologia e Urbanismo (CTU), com transmissão pela plataforma Google Meet. Nas primeiras palestras, participaram nomes como o do antropólogo Eduardo Tardeli e da doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social (Cesa) da UEL, Gilza Pereira Kaingang.

O projeto teve oficinas em 26 de outubro e 9 de novembro, e contará com outras ainda neste mês, nos dias 17 e 23. O ciclo formativo termina em 1º de dezembro com o tema “Pesquisa de Campo no Território Indígena” e posterior planejamento das ações do projeto.

Segundo a coordenadora Juliani Piai, professora do Departamento de Engenharia Elétrica (CTU), a proposta partiu de uma demanda dos próprios indígenas por meio da Assistência Social da Prefeitura de Londrina e de docentes do curso de Serviço Social da UEL.

Alinhados com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que integram a Agenda 2030, os participantes do projeto pretendem promover eficiência energética e segurança nas instalações elétricas (Meta 7), além de incentivar a sustentabilidade do território (Meta 11) e a redução das desigualdades (Meta 10).

O projeto selecionou estudantes das áreas de Geografia, Engenharia Elétrica e Serviço Social da UEL. Estudantes Kaingangs da Terra Indígena foram convidados a integrar o projeto e até o momento quatro deles estão participando das atividades. Também são parceiros da iniciativa a Companhia Paranaense de Energia (Copel) e a Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

A reserva tem em seu interior a Usina Hidrelétrica Salto Apucaraninha, considerada uma Pequena Central Hidrelétrica (PCH), com capacidade instalada de 10 MW. 

Informações Agência Estadual de Notícias