Driblando o assédio: app de transporte feminino traz mais segurança às mulheres de Curitiba e região

Sentir medo ao se locomover pela cidade é uma realidade da grande maioria das mulheres no Brasil. De acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública do Paraná, em Curitiba, de janeiro a agosto de 2020, foram computados 127 registros de importunação sexual. Outros dados divulgados pela Uber demonstram que foram relatados mais de 3 mil casos de assédio neste aplicativo em 2018. E, destes, 235 resultaram em estupro.

Foi justamente pensando em trazer mais segurança que Gabryella Correa, 38, fundou a Lady Driver, aplicativo de mobilidade urbana exclusivo para mulheres motoristas e passageiras que está chegando em Curitiba e região metropolitana. Foi depois de sofrer assédio por um motorista de aplicativo de transporte que Gabryella criou o app. “Foi uma situação muito difícil, fiquei muito nervosa, e depois disso decidi criar um aplicativo, porque eu não queria que outras mulheres passassem pela mesma situação. Acabei usando a minha experiência negativa para uma ideia positiva, capaz de ajudar outras mulheres”, diz Gabryella.

Além da questão da segurança, o objetivo da empresa é dar a oportunidade para mulheres com perfil de empreendedoras a levarem para sua cidade um serviço que é de “utilidade pública”.  Abrir um negócio que vai ajudar as mulheres de toda a região, beneficiando tanto as motoristas, quanto para as passageiras que finalmente podem ter um transporte no qual podem confiar.  Parte desse plano já está se desenvolvendo em Curitiba por meio da embaixadora Lady Driver, Gleyce Segundo.

A Lady Driver é uma chance de nos transportarmos com tranquilidade e segurança. Não me lembro quando entrei em qualquer transporte e não estive sempre em alerta, no limite, pronta para tomar qualquer atitude se fosse necessário. Já passei por diversas situações extremamente invasivas e traumatizantes e todas as minhas amigas, sem exceção, também. É cansativo ser mulher na nossa sociedade e soluções como essa tornam nossa vida mais fácil”, comenta Gleyce.

A motorista Cinthia Deluca Lemos, que trabalha há um ano e meio com outro aplicativo de mobilidade urbana, conta que é muito comum, quando embarca uma passageira, que ela comente sobre o alívio de encontrar uma motorista mulher. “Agora, quando a Lady Driver começar a operar na cidade, poderemos nos sentir mais seguras para ir e vir”, diz. “Eu trabalho dirigindo em todos os horários, inclusive de madrugada, sei que é perigoso, especialmente para as mulheres, por isso me cadastrei na Lady Driver, saber que só vou embarcar passageiras mulheres me dá uma sensação de segurança bem maior e sei que as passageiras se sentem mais seguras também”, complementa Cintia.

Em Curitiba e região, o aplicativo está na fase de cadastramento das motoristas. “Tão logo tenhamos esse cadastro feito, iniciaremos o atendimento às passageiras,” explica Gleyce.

Segundo a CEO e fundadora da Lady Driver, somente 6% dos motoristas de aplicativos são do sexo feminino. Na opinião de Gabryella, um número que traduz bem os desafios que a mulher enfrenta, seja por temer a violência ou porque o mercado automotivo ainda é predominantemente machista e masculino.

As motoristas interessadas em trabalhar com a Lady Driver já podem realizar cadastro para as cidades de Curitiba, Pinhais, São José dos Pinhais, Araucária e Colombo. 

Serviço:

O que é preciso para ser uma motorista do Lady Driver?

  • Utilizar celular sistema operacional Android
  • Ter carteira de habilitação categoria B com EAR (Exerce Atividade Remunerada), carro do ano 2011 ou superior (4 portas, 5 lugares, ar-condicionado
  • Entrar no Google Play, baixar o aplicativo Lady Driver e fazer o cadastramento.