Novo viaduto vai unir bairros populosos de Campo Largo

Do alto, o viaduto em formato de ferradura no quilômetro 109 da BR-277, em Campo Largo, chama a atenção pela imponência. Lá de baixo, a interseção significa a união de dois dos bairros populosos, Cercadinho e São Luís, que fazem parte da cidade da Região Metropolitana de Curitiba (RMC). A obra, batizada de viaduto Marcelo Puppi em homenagem ao ex-prefeito do município, vítima da covid-19 em janeiro, foi oficialmente inaugurada nesta segunda-feira (3) pelo governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior.

A construção durou dez meses e compõe o pacote de ações do acordo entre a Rodonorte e o Ministério Público Federal (MPF). O investimento por parte da concessionária que administra o trecho foi de R$ 19,7 milhões. O complexo rodoviário conta ainda com dois quilômetros de marginal de acesso e uma passarela para a travessia de pedestres.

“É uma obra que vai ligar dois pontos importantes de Campo Largo. Essa solução da engenharia vai permitir também reduzir o número de acidentes, diminuindo as mortes em virtude de acidentes de trânsito. Uma ação que é fruto da organização e planejamento do Estado”, afirmou Ratinho Junior.

O governador lembrou que o trecho dentro do perímetro urbano de Campo Largo é parte da principal ligação entre Curitiba e o Interior do Estado. De acordo com a Rodonorte, cerca de 55 mil carros passam diariamente pelo local, cuja população é estimada em 40 mil pessoas.

Secretário de Estado da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, explicou que em até 60 dias será concluída outra importante intervenção urbana no município: a construção do novo acesso ao Jardim Guarany, no quilômetro 104 da mesma BR-277. “São obras tratadas como prioridade absoluta, que vão ao encontro do que o governador Ratinho Junior sempre sonhou para o Paraná: fazer do Estado o hub logístico da América do Sul”, disse.

Ele afirmou que além das obras em Campo Largo, o acordo de leniência prevê novos acessos, viadutos e marginais em Ponta Grossa e Castro, além de duplicações na BR-376, a Rodovia do Café, nas cidades de Imbaú, Tibagi e Ortigueira – todas com previsão de conclusão para novembro deste ano. “São ações importantes que vão desafogar o trânsito e melhorar a infraestrutura do Paraná”, afirmou Sandro Alex.

A diretora-presidente do grupo CCR Rodonorte, Thaís Caroline Labre, destacou que a concessionária também concluiu, em 2021, as obras do novo Trevo de Brotas, principal acesso ao município de Piraí do Sul (na PR-151) e a duplicação do Contorno Sul de Apucarana (na BR-376). “Buscamos soluções de convivência entre a cidade e a rodovia, em diferentes pontos do Estado”, disse.

Números

Segundo ela, o novo viaduto e passarela do Cercadinho carregam números expressivos. São 12 vigas de sustentação, que medem 19,8 metros cada um e pesam pouco mais de 17 toneladas. Foram utilizadas ainda 162 estacas de concreto para as fundações, pouco mais de 1,8 km de tirantes metálicos, além de mil metros quadrados em sinalização. Para o avanço nos trabalhos, inclusive, foi necessária a escavação de 35 mil metros cúbicos de materiais.

“Um grupo de 150 pessoas trabalhou nesta construção, fazendo com que ela ficasse pronta em tempo recorde, mesmo em um momento de pandemia”, afirmou Thaís.

Essa estrutura robusta terá impacto na rotina diária de mais de 40 mil pessoas. É o caso da técnica em enfermagem Daiana Aparecida Pereira Cruz, de 34 anos. Ela conta que nasceu no Cercadinho e, agora, basta abrir o portão de casa para acessar o viaduto. “Uma obra esperada por muito tempo. Tínhamos que rodar muitos quilômetros para chegar ao retorno e pegar a rodovia no sentido de Curitiba. Um transtorno”, disse. “Ficou bem melhor, uma outra vida, com mais segurança”, acrescentou a dona de casa Marilene dos Santos Fedalto, usuária frequente do movimentado ponto de ônibus às margens da estrada.

Informações da Agência Estadual de Notícias