Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

A hora do almoço em alguns países

A hora do almoço em alguns países

A hora das refeições diz muito sobre a cultura de um país.
E observar as pessoas comendo, é no mínimo, curioso e revelador.

Você já imaginou como é a hora do almoço ao redor do Mundo?
Abaixo estão os hábitos bem diferentes em sete países:

Índia
Os indianos separam pouco tempo para o almoço.
A falta de tempo e o engarrafamento em Mumbai, fazem com que muitos trabalhadores façam suas refeições na própria mesa de trabalho.
Quem não leva a refeição pronta de casa, usa um sistema de entrega de marmitas recém-preparadas, chamadas tiffins, onde os entregadores - os dabbawalas recolhem as quentinhas em restaurantes ou residências e distribuem pelos escritórios.

Uganda
Comer rápido dá mais tempo para o trabalho, é assim que pensam os moradores de Mbale, que normalmente almoçam em 30 minutos nos restaurantes próximos ao trabalho, com os colegas ou no próprio escritório. E para todos, o que dificilmente acontece é pular essa refeição, que consideram muito mais importante que o jantar.
Em outras áreas do país, é fácil encontrar comida de rua rápida, barata e saborosa, como o “rolex” que é um chapati – um tipo de pão enrolado em uma mistura de ovo, cebola frita e tomate.

Estados Unidos
É muito comum ver os americanos passarem toda sua hora do almoço em filas para comprar uma salada ou um sanduíche.
Para os nova-iorquinos mais ‘conscientes’, tomar um bom café da manhã em casa, e levar seu próprio lanche e outros alimentos não-perecíveis para o dia, acaba sendo mais costumeiro.
Nos Estados Unidos, as pessoas costumam fazer intervalos de almoço mais curtos que trabalhadores de outros países. Uma pesquisa realizada em 2016 pela empresa Edenred, de serviços corporativos, mostrou, por exemplo, que 51% dos americanos entrevistados tiravam entre 15 e 30 minutos para almoçar - e apenas 3% demoravam mais de 45 minutos.

Filipinas
Os jollijeeps - tipo de trailer de comida, estão na cidade de Makati há cerca de cinco anos e surgiram para organizar e regular os vendedores ambulantes da cidade.
Alguns se tornaram conhecidos por oferecerem um tipo de almoço caseiro e saudável, sendo uma opção aos trabalhadores que não precisam recorrer a restaurantes e cafeterias.
A hora do almoço no país é protegida por leis trabalhistas: cada funcionário tem direito a uma hora de almoço para cada oito horas trabalhadas. Fazer as 3 refeições completas por dia é muito importante.

França
Uma pesquisa da Edenred mostrou que: 43% dos franceses consultados tiram 45 minutos ou mais para almoçar - e 72% comem em restaurantes pelo menos uma vez por semana.
Há também outro incentivo para se almoçar na França, onde a população bebeu 11,3% do vinho consumido no mundo em 2014.
E nas sextas-feiras, quando geralmente os franceses estão mais relaxados, vão em grupo a um restaurante para tomar cerveja ou vinho durante o almoço.

Egito
O café da manhã no Egito é tradicionalmente reforçado e servido no fim da manhã, fazendo com que o almoço seja postergado para as 15h ou 16h, enquanto o jantar é servido a partir das 21h.
Muitas empresas dão de uma a duas horas de intervalo para o almoço, mas as pessoas usam esse tempo para tomar café e comer o resto do café da manhã. E, no fim da tarde, tiram mais meia horinha para almoçar.

Brasil
Para economizar dinheiro e cuidar melhor da saúde, muitos trabalhadores cozinham em casa os alimentos saudáveis para o almoço e montam as refeições no escritório.
Diferente da grande maioria dos trabalhadores da cidade de São Paulo onde o almoço é muitas vezes considerado a principal refeição do dia, até porque a maioria das empresas oferece vale-refeição, o que estimula as pessoas a saírem do escritório para almoçar.
Em São Paulo, as pessoas trabalham muitas horas, geralmente das 9h às 19h, o que faz sentido reservar uma hora para o almoço e sair do escritório.

Leia a versão original desta reportagem (em inglês) no site BBC Capital.