Ações humanas prejudicam rios e lagos, revela pesquisa da UEM

Uma pesquisa da Universidade Estadual de Maringá (UEM), publicada internacionalmente na renomada Nature Ecology & Evolution, revela que ações humanas têm provocado, direta e indiretamente, alterações nos entornos de ecossistemas aquáticos de vários pontos do Brasil. Assim, os animais que vivem nos rios e lagos adjacentes são prejudicados, inclusive havendo redução de peixes. E aí, o prejuízo volta ao ser humano de maneira ambiental e também socioeconômica, afinal a pesca é uma importante atividade ribeirinha.

“As atividades humanas causam o declínio da biodiversidade aquática e alteram o funcionamento e o papel ecológico desses ambientes. De posse desse diagnóstico, temos informação para poder dar suporte a atividades voltadas à conservação e à redução de impactos negativos, principalmente na região do Alto Rio Paraná, que, dentre os locais que trabalhamos, apresentou o maior impacto”, expõe Roger Paulo Mormul, um dos autores do artigo científico e professor do Programa de Pós-Graduação em Ecologia de Ambientes Aquáticos Continentais (PEA) da UEM.

No artigo científico, desenvolvido por pesquisadores do PEA e do Núcleo de Pesquisas em Limnologia, Ictiologia e Aquicultura (Nupélia) da UEM com parceiros nacionais e internacionais, há investigação das planícies de inundação do Alto Rio Paraná, Pantanal, Rio Araguaia e Amazonas, revelando que esses ecossistemas aquáticos são impactados por agricultura, urbanização e desmatamento. “Os maiores impactos negativos da atividade humana foram detectados sobre as plantas aquáticas e os peixes, sendo que os peixes constituem a base econômica e alimentar de grande parte das populações ribeirinhas nas áreas estudas”, destaca Mormul.

Segundo o autor, se as pressões humanas aumentarem, a preservação da biodiversidade não será suficiente para manter a funcionalidade e os serviços prestados por esses ecossistemas ao bem-estar humano. Por isso, o professor aponta que “é fundamental que esforços de conservação sejam acompanhados por uma redução de pressões humanas nessas áreas”. A pesquisa serve, portanto, para fomentar políticas públicas de conservação e redução de impactos ambientais e socioeconômicos para que a sociedade continue, com qualidade, a usufruir dos rios tanto para trabalho, quanto para alimentação e lazer.

Leia o artigo científico – A pesquisa “As pressões humanas são responsáveis por direcionar as relações entre a biodiversidade e a multifuncionalidade de grandes áreas úmidas neotropicais” está publicada em inglês no periódico internacional Nature Ecology & Evolution. Foi liderada por um doutorando do PEA da UEM e integra um projeto com financiamento federal.

Essa é mais uma importante publicação da universidade originada no PEA e no Nupélia, que há quatro décadas promove pesquisas que geram benefícios à sociedade, à fauna e à flora. “Na região de Porto Rico [no noroeste paranaense], por exemplo, algumas áreas de conservação foram delimitadas a partir dos estudos do Nupélia, além de várias outras propostas de conservação terem se iniciado com estudos do Nupélia”, finaliza Mormul.