Cleansing oil: tudo sobre o queridinho do TikTok

Quem tem TikTok com certeza já deve ter se deparado com pelo menos um vídeo falando sobre o cleansing oil, produto à base de óleo e surfactantes que promete promover a limpeza facial, removendo as impurezas da pele. Recomendado por diversas pessoas na plataforma, o cosmético pode sim ser uma boa opção de skincare, porém, muitas pessoas também já se queixaram sobre o produto causar acne, sensibilidade ou oleosidade.

Patrícia Elias, esteticista dermaticista, explica que isso pode depender tanto do tipo e do estado da pele da pessoa, como também da forma que o produto é aplicado. “O cleansing oil, como qualquer outro cosmético, tem uma maneira correta de ser utilizado para atingir os resultados desejados e não causar um efeito rebote na pele”, conta.

Como utilizar o cleasing oil

A primeira dica da especialista é aplicar o óleo com as mãos e rosto secos, porque alguns ingredientes, ao entrar em contato com a água, perdem sua funcionalidade. Para o produto ser mais efetivo, é necessário realizar uma massagem em movimentos circulares por alguns minutos para aquecer o óleo e facilitar a remoção das impurezas. 

Outro ponto importante, é não deixar o produto por muito tempo na pele, para evitar complicações. “É preciso sempre retirar o óleo com água. Se deixado no rosto, o produto pode em alguns casos causar obstrução dos poros, aumento de oleosidade, acne e sensibilidade”, explica. 

A especialista pontua que dependendo da quantidade de produto utilizado, é possível sentir a pele oleosa ou com resíduos. Caso isso aconteça, o recomendado é passar um sabonete específico para o rosto, mas com cautela, já que a limpeza em excesso também pode causar maior produção de sebo, prejudicando as camadas naturais da pele. “Tente remover todo o excesso de produto apenas com a água, mesmo que isso signifique enxaguar o rosto várias vezes”, acrescenta. 

A profissional também recomenda a utilização do cleasing oil apenas no período noturno devido a sua ação de limpeza profunda, que retira resíduos mais pesados como maquiagem e protetor solar. 

O cleansing oil e a oleosidade

Muitas pessoas têm receio em utilizar o produto com medo do aumento da produção de oleosidade, mas o que acontece é justamente o contrário. Cosméticos que retiram demais o óleo natural da nossa pele, estimulam a produção do sebo. “O corpo entende que, como toda a oleosidade foi toda retirada, é preciso produzir mais para suprir sua falta”, explica a profissional. 

Outra vantagem desse produto, é sua capacidade de tirar filamentos sebáceos do rosto, ou seja, aqueles pontinhos esbranquiçados que podem se transformar em cravos. “O cleansing oil faz uma emoliência no sebo presente nos filamentos, melhorando o aspecto da pele e evitando a formação dos pontinhos pretos que só conseguem ser eliminados por completo na extração na limpeza de pele”, afirma. 

Porém, em casos de acne, é importante observar se ela é causada devido a sensibilidade. “Quando o óleo é deixado muito tempo no rosto e não é removido completamente ou é combinado com um sabonete extremamente secante, pode piorar o quadro de acne. Por isso, sempre recomendo a remoção do excesso com bastante água, principalmente para quem já possui tendência de pele acneica”, explica. 

Patrícia Elias também ressalta que cada pele reage de uma maneira, independente do produto. Por isso, é sempre importante entender qual é seu tipo de pele para investir em um skincare assertivo e que resulte em uma derme saudável e viçosa. 

“Nossa pele é única e merece toda nossa atenção, portanto procure entender o que sua pele gosta e precisa. Caso você já tenha usado o cleansing oil e não tenha se adaptado, invista em uma boa água micelar ou demaquilante. Outra opção, é o óleo de jojoba ou de coco para remover as impurezas da pele”, finaliza.