Páscoa: conheça os tipos de chocolate mais recomendados para consumo

Produto do tipo amargo, com 70% de cacau, é uma das indicações da especialista em Nutrição da Unopar

Com a aproximação do feriado de Páscoa, há um estímulo no consumo de chocolate que, se em excesso e prolongado, pode ocasionar uma série de problemas de saúde. Conhecer os diversos tipos de sabores e controlar a quantidade ingerida asseguram mais equilíbrio na alimentação, até mesmo com promoção do bem-estar, já que o chocolate também tem benefícios à saúde.

A professora do curso de Nutrição da Unopar, Carla Jadão, aponta que é importante conhecer todas as opções de ovos saudáveis para não errar na escolha. “Quando pensamos em chocolate com baixo teor de açúcar logo vem na mente os produtos light, esse tipo de produto contém na sua composição no mínimo 25% de determinado ingrediente. Outra versão é o diet que não possui nenhuma grama de açúcar, porém não necessariamente ele é menos calórico. Quando é retirado o açúcar do alimento, para manter o sabor aumenta-se a quantidade de gordura. Portanto, os produtos diet devem ser consumidos apenas pelos diabéticos”, enfatiza.

Quanto e qual chocolate devo consumir? 

Alguns tipos são mais recomendados para determinadas faixas etárias. “Os adultos com idade mais avançada e idosos, devem optar pela versão amarga, pois ele possui flavonoides de cacau, que são bioativos derivados de plantas da semente da planta, que atuam diretamente na redução da pressão arterial e no bombeamento do sangue para o cérebro, melhorando o sistema cognitivo do ser humano. Não é por ser benéfico que pode exagerar, o ideal é ingerir 30 gramas”, explica.

No caso das crianças, a especialista afirma que não é recomendado que menores de três anos consumam chocolate. “O consumo diário nessa idade não pode ultrapassar a quantidade de um tablete pequeno. Faça substituições como trocar o ovo por um brinquedo novo, um livro, um passeio num parque que a criança sempre quis ir etc. Essas são algumas ideias para os pais substituir o desejo pela guloseima”, ressalta. 

Carla também indica a ingestão do produto amargo com 70% de cacau, mas para aqueles que estão acostumados com a versão ao leite, tipos que possuem 50% da fruta na composição é uma ótima saída. “Tenha cautela na quantidade, fique atento a composição nutricional e nunca exagerar na quantidade ingerida. Essas dicas são essenciais para quem deseja ter um momento prazeroso e saudável”, finaliza.