Saiba como identificar cada tipo de tosse

Nem todas as tosses são iguais, a tosse pode caracterizar-se, segundo a sua duração, de aguda ou de crónica

Umas vezes sem darmos por isso, quando a tosse resulta de um mecanismo automático do sistema respiratório, outras com intenção social, quando queremos chamar a atenção. E outras ainda, como sintoma de doença: é o que acontece frequentemente quando chega o inverno e, com ele, as constipações.

A tosse pode caracterizar-se, segundo a sua duração, de aguda ou de crónica. A tosse aguda, habitualmente de curta duração e associada a sintomas de constipação, é passível de tratamento com a ajuda do seu farmacêutico sem recurso a consulta médica. Já nos casos crónicos, de longa duração, aconselha-se a observação por um médico, pois as causas podem ser as mais variadas.

Por outro lado, a tosse pode ainda ser seca ou produtiva, dependendo da causa. Ou seja, a tosse seca, irritativa, por vezes induzida por um “formigueiro” na garganta é aquela que não tem expectoração. É uma tosse habitualmente incomodativa que vai aumentando a irritação da garganta e é a resposta a estímulos irritativos da faringe, laringe e vias respiratórias superiores.

Já a tosse produtiva, ou com expectoração, facilita a remoção de partículas estranhas. Esta tosse não deve ser suprimida com antitússicos, uma vez que levaria à acumulação das secreções e atrasar a recuperação. O aspecto e cor da expectoração pode indicar se se trata de uma situação mais grave. Habitualmente, quando a expectoração é amarelo-esverdeada é sinal de infecção e quando é sanguinolenta e espumosa é sinal de bronquite, pneumonia ou outra situação mais grave.

Veja mais detalhes na reportagem completa do Destaque Ponta Grossa desta terça-feira (23)