​No Dia Mundial de Combate à Meningite, Secretaria da Saúde reforça importância da prevenção

Neste sábado (24) é o Dia Mundial de Combate à Meningite. A Secretaria da Saúde do Paraná reforça a importância dos cuidados para prevenir a doença, sendo que a vacina é a principal forma de prevenção.

A meningite é um processo inflamatório das meninges, ocasionada por vários agentes etiológicos como vírus, bactérias e fungos. É uma doença de notificação compulsória, por isso é necessário a busca ativa e investigação de casos e surtos para o seu monitoramento. Alguns agentes bacterianos possuem um grande potencial epidêmico, como o meningococo.

A doença atinge as membranas que revestem o cérebro e a medula espinhal. Pode afetar pessoas de todas as idades, principalmente as crianças. A meningite chega a matar em até 24 horas, caso o diagnóstico não seja realizado. Também provoca sequelas que incluem perda de memória, surdez, perda de visão, epilepsia, paralisia, perda de membros, danos em órgãos e cerebrais.

“Manter o calendário de vacinação em dia é fundamental para a saúde das crianças”, explica o secretário estadual da Saúde, Beto Preto. Ele lembra que os bebês de seis meses a um ano são os mais vulneráveis, porque ainda não desenvolveram anticorpos para combater a doença. “São várias vacinas contra meningites bacterianas no Calendário Nacional de Vacinação e os pais devem estar atentos às datas da imunização dos filhos”, afirma o secretário.

Nas décadas de 70 e 90, o Brasil foi atingido por graves epidemias de meningite. Desde então, a adoção de medidas como detecção oportuna dos casos e a educação em saúde apresentaram grande impacto para a vigilância do agravo.

Casos

Em 2019, foram 1.818 casos e 96 mortes no Paraná, causadas pela doença. Em 2020, foram registrados 800 casos e 48 mortes, e neste ano, até o momento, são 132 casos confirmados e 12 mortes.

“O atual cenário da pandemia da Covid-19 contribui para a conscientização em relação aos cuidados preventivos quanto às doenças respiratórias”, afirma a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde, Maria Goretti David Lopes. “Lavagem das mãos, ventilação dos ambientes e uso de máscaras, medidas amplamente divulgadas durante a pandemia, também ajudam na prevenção da meningite. Por isso reforçamos a importância da manutenção e intensificação destes cuidados”.

Ela destaca que a sensibilização da população em relação à prevenção e também dos profissionais de saúde quanto à notificação da meningite são fundamentais para o controle da doença. 

Informações da Agência Estadual de Notícias